sexta-feira, julho 31, 2009

'Empréstimos' por Jorge Costa

"Os leitores do Record Online aceitaram o desafio de colocarem as questões mais pertinentes a Jorge Costa, treinador do Olhanense. O antigo capitão do FC Porto respondeu a todas e até abordou o propalado tema do empréstimo de jogadores.
.
.
Qual é a sua opinião relativamente ao empréstimo de jogadores a equipas do mesmo escalão, visto o Olhanense até ser dos mais beneficiados por esse facto?
Marcos Areias, Amora
.
Respondo com a maior naturalidade e sinceridade possível às perguntas que me fazem e por isso digo: acho ótimo! Sou beneficiado, felizmente tenho o prazer e o privilégio de poder contar com bons jogadores, e se a época passada não tivesse usufruído desta mesma possibilidade se calhar hoje não estaríamos na liga principal.
.
Não concorda que é um risco apostar em empréstimos de um grande número de jogadores jovens e sem muita experiência de 1.ª Liga? Ou, pelo contrário, acha que estes dão uma mais-valia a uma equipa pela sua vontade de afirmação no futebol?
Bruno Oliveira, Coimbra
.
Já na época passada se colocou essa questão e o resultado final foi a subida de divisão. É verdade que tenho jogadores jovens, mas quase todos têm já alguma experiência nas seleções e são elementos que se querem afirmar. Prefiro ter jogadores jovens com vontade de se afirmarem e de crescerem, do que ter jogadores já com vícios.
.
Com as dificuldades financeiras que os clubes atravessam, qual o futuro que se advinha para a Liga portuguesa ao nível da sua competitividade e transparência?
Ivo Ramos, Odivelas
.
O nosso futebol vive acima das suas possibilidades. Talvez fosse útil seguirmos o exemplo da Bélgica, um país evoluído, que tem um campeonato mais fraco que o nosso, com 50% ou 60% das equipas do campeonato principal a serem semiprofissionais. Treinam-se à noite e trabalham durante o dia, com uma massa salarial muito mais baixa que a dos clubes portugueses. Importa repensar o futebol em Portugal e perceber que não temos possibilidades para ter tantas equipas profissionais.
.
Quais as diferenças de um plantel para a 2.ª Liga e de um para a 1.ª Liga?
José Pedro Franco, Santo António dos Cavaleiros
.
Quando chegamos ao campeonato principal as exigências são maiores. Procuramos ter jogadores de mais qualidade. O objetivo passa por ter um plantel equilibrado e com jogadores de qualidade, dentro das possibilidades do clube."
.
. (transcrição, com a devida vénia)

xmlns:dc="http://purl.org/dc/elements/1.1/"

<< Home