sexta-feira, março 22, 2019

Troféu Ibérico!


O Belenenses venceu na passada quarta-feira o Badajoz (1-0) conquistando assim o Troféu Ibérico em disputa. O golo foi apontado por Matia Lulic através da marcação de um livre. Parabéns aos vencedores, honra aos vencidos.


Saudações azuis

quinta-feira, março 21, 2019

Agora é que são elas...

Extraditado, aterrou hoje em Lisboa o herói para muitos, vilão para outros tantos, Rui Pinto de seu nome, e pelo andar da carruagem há muita gente aterrada com o que ele possa dizer. Ainda é cedo para um juízo final mas num país que detesta a verdade esta história tem todos os condimentos para acabar mal. Aguardemos pelos próximos capítulos.

quarta-feira, março 20, 2019

A batota a céu aberto!


Como era previsível começam a aparecer provas que revelam aquilo que todos sabemos: - que em Portugal o futebol é uma fraude! Árbitros transformados em padres de confraria suspeita, agentes 'desportivos' que trocam e.mails também suspeitos, toupeiras que escavam galerias no ministério da Justiça, juízes suspeitos, juízas à maneira, deputados da bola, empresários da treta, tudo concorre para este clima onde a corrupção e a batota são rainhas! A olhar para o lado temos a FPF, a Liga e a Tutela. A silenciar o 'incómodo' temos uma comunicação social obediente e vendida. Há excepções, mas são poucas. E hoje quem folhear a imprensa desportiva até parece que não aconteceu nada! Um jogador testemunha em pleno tribunal que foi aliciado para facilitar a vitória do Benfica num determinado jogo e só vemos notícias sobre o Batuque Futebol Clube e Bruno de Carvalho que 'ressuscita' sempre que dá jeito! 

Assim, tal como as coisas estão, pergunta-se: - quem é que vai investir num país destes?! Seja no futebol, seja onde for?! Só se for louco! Sério e honesto não há-de ser concerteza.

Saudações azuis



Nota: Uma das tarefas do G 15, onde em tempos depositei alguma esperança, tem a ver com a equidade que está em falta e com a verdade desportiva que não existe. Para isso é necessária uma agenda firme e independente. Não é o que tem acontecido, apesar de alguns pequenos passos hesitantes. Matérias como a centralização dos direitos televisivos e uma distribuição justa das receitas, não pode ficar à espera que se cumpram os contratos em vigor; o factoring é uma consequência nefasta e uma desigualdade que atenta contra os direitos de imagem; a BTV a transmitir jogos por sua conta é uma aberração e uma suspeita permanente; a limitação do número de jogadores que cada clube pode ter na sua esfera patrimonial é uma urgência. Etc. etc. etc.
Enquanto isto não for uma realidade, a batota e a corrupção vão continuar, e a violência, que é filha da suspeição, vai aumentar. Quanto à independência dos clubes, financeira e não só, que é a base de uma competição saudável, essa será sempre uma miragem.

Adenda: - A fraude é tanta e está tão generalizada que já nem podemos acreditar naquilo que vemos na TV. Imaginem que até quiseram fazer passar a ideia de que a bola não tinha entrado no golo anulado por fora de jogo ao Moreirense logo no início do encontro com o Benfica! Inclusivamente o Coroado na sua análise veio dizer isso! Como se fosse possível a intervenção do VAR, e de facto interveio, no caso da bola não ter entrado! Está tudo doido. E já agora um aparte - o golo anulado (ainda estava zero a zero) faz lembrar o golo de livre do Diogo Viana com o Vlacodimos a ser batido da mesma maneira. Se o avançado do Moreirense estava ou não fora de jogo temos dúvidas e é essa dúvida que explica toda esta sucessão de falsas notícias e de imagens marteladas que mais não fazem que servir de forma abjecta o nacional benfiquismo em vigor. Que tristeza de país...

segunda-feira, março 18, 2019

Oito jogos oito!


Faltam oito jogos e o campeonato está mais ou menos definido: - há duas equipas que lutam pelo título, Benfica e Porto, com os encarnados mais próximos de o alcançar, e não apenas pela vantagem que têm em caso de igualdade pontual, mas sobretudo pela facilidade com que vão marcando golos em comparação com as enormes dificuldades dos nortenhos.
Braga e Sporting lutarão pelo terceiro lugar embora os bracarenses ainda possam, teóricamente, vislumbrar o título. Digo teóricamente porque à sua frente estão duas equipas e não uma, o que diminui sobremaneira as respectivas possibilidades.

Para a Europa (através do quinto lugar*) adivinha-se um trio de candidatos – Guimarães (42 pontos) Moreirense (42 pontos) e Belenenses (trinta e oito pontos). E aqui reside alguma surpresa já que no início da época quer o Moreirense quer o Belenenses almejavam objectivos mais modestos. O que significa que houve equipas com orçamentos bem superiores que dificilmente alcançarão aquilo a que se propuseram. Estou a pensar no Rio Ave, por exemplo, equipa que, apesar de tudo, ainda não terá desistido de chegar mais acima. Junto a ela e com os mesmos 32 pontos estão duas equipas - Santa Clara e Portimonense - que praticamente já asseguraram a respectiva permanência.

Daqui para baixo, ou seja do 11º lugar ocupado actualmente pelo Marítimo, até ao 18º e último ocupado pelo Feirense todos lutam para não descer, sendo que a equipa da Feira já dificilmente se salvará. E este ano, como se sabe, descem três equipas.

Feito este resumo vamos então falar do Belenenses, não do Belenenses SAD como muitos insistem em chamar-lhe como se os outros clubes de futebol profissional não tivessem também eles uma SAD! Enfim, haja paciência. Mas vamos aguardar que o foguetório da providência cautelar esmoreça e que a lei substantiva se cumpra. Refiro-me ao Dec - Lei 10/2013 que rege as sociedades desportivas, e que enquanto estiver em vigor não pode ser subvertido quando se extinguem protocolos ou haja desacordo em outros instrumentos negociais que careçam de acordo. Isto qualquer pessoa percebe. A não ser que esteja de má fé.

Pois muito bem e falando do Belenenses europeu cumpre-me dizer o seguinte: - É certo que perdemos dois pontos contra o Portimonense, dois pontos que provávelmente não perderíamos se a equipa alinhasse de início como era expectável: - Sagná no lugar de Diogo Viana, Matia e Dálcio para colmatar as ausências forçadas de André Santos e Eduardo. Mas não vou bater mais nesta tecla, olhemos em frente  tentando nestes oito jogos que faltam alcançar os tais 50 a 55 pontos, meta ou cume onde costuma situar-se a Europa. Temos futebol para isso.


Saudações azuis


*É possível que o sexto lugar dê também acesso à Europa mas será por portas travessas. Não é isso que queremos.

sábado, março 16, 2019

Dar avanço...


Silas falou de erros técnicos para explicar o descalabro inicial mas quanto a mim o descalabro foi consequência e não causa. Consequência de termos mexido, sem necessidade, no trio defensivo (Gonçalo Silva, Nuno Coelho e Sasso) verdadeira muralha azul, torres de Belém, se quiserem e que tão boa conta tem dado de si nos últimos jogos! Aliás logo que foi feita a correcção, ainda na primeira parte, o jogo mudou para o nosso lado e o Portimonense foi desaparecendo. Mudança que a segunda parte confirmou plenamente - chegámos ao empate, e não demos a volta ao marcador porque o desgaste psicológico já era muito. Não é fácil recuperar de dois golos de desvantagem.

Quanto às dificuldades para armar uma equipa onde faltavam dois elementos fulcrais do meio campo isso é outro assunto. De facto não é fácil substituir Eduardo mas especialmente André Santos. Um problema que tem a ver com a estrutura do plantel. De resto estava um bonito dia, a relva estava em condições e só foi pena não ter sido possível oferecer uma vitória aos adeptos. Porque quanto mais vitórias mais adeptos hão-de aparecer.


Saudações azuis



quarta-feira, março 13, 2019

Atenção às toupeiras!


Mal acabou o jogo, estupefactos com o resultado, toupeiras e cartilheiros começaram logo a trabalhar! Primeiro foram as 'ofertas', os erros individuais, mas sem insistir muito para não desvalorizar os produtos do Seixal, que como nos repetem todos os dias valem milhões! Tentaram depois descobrir lances duvidosos, mas como não houve, passaram ao plano B.

E começam então a aparecer referências a um jogo contra uma equipa fantasma ('no name blues' como lhe chamam), uma equipa que perdeu o emblema, uma situação 'surreal', e que tudo isso, não dizem mas pensam, terá pesado no golpe de vista do Odisseias e no atraso imprevisto do Rúben Dias. Não me admira que amanhã reclamem na justiça, de preferência no tribunal de marcas e patentes, os cinco pontos que esta época lhes ganhámos. O nacional benfiquismo é isto, é a batota permanente, o sonho do partido único, do clube único, com um grande líder à frente. Com ou sem bigode.
Escrevo meio a sério meio a brincar mas nesta espécie de país, onde tive a sina de nascer, nunca se sabe.

Contra a corrente destaco MST que transcrevo do jornal A Bola: “Podem estar proibidos de usar a cruz de Cristo nas camisolas e ter de jogar fora do Restelo, mas roubaram 5 pontos ao Benfica neste campeonato e são eles que erguem lá no alto da tabela o nome do clube. Essa é que é essa!”


Saudações azuis

terça-feira, março 12, 2019

Os cães ladram...


Cumpriu-se ontem mais uma etapa da regeneração do Belenenses! Um Belenenses altivo, forte e que deixou de ser o clube simpático mas que não contava para nada. Não subscrevo a BTV e por isso não tive oportunidade de ver o jogo, mas bastaram-me os resumos disponíveis para valorizar ainda mais a prestação do Belém. Muriel sofreu dois golos sem hipóteses mas para além disso não fez uma única defesa apertada! E contam-se pelos dedos de uma só mão as jogadas de efectivo perigo dos encarnados. Contei o golo de Jonas, que só ele conseguiria marcar, contei um cabeceamento já na parte final do mesmo Jonas e contei um remate perigoso de Rafa na primeira parte. Quanto ao segundo golo encarnado é uma carambola em Nuno Coelho porque a bola nem ia na direcção da baliza. O ultra badalado poderio atacante do Benfica afinal reduziu-se a isto. É certo que também não mereciam perder e assim o empate ajusta-se ao labor das duas equipas. Uma, apoiada por cinquenta mil, e ultimamente endeusada por toda a comunicação social, a outra que calou o estádio da Luz! O Belenenses está pois de parabéns!

Mas o jogo deixou algumas sequelas em termos disciplinares. Para o próximo compromisso, em que defrontaremos o Portimonense, o meio campo terá de ser reconstruido. Vão faltar André Santos e Eduardo o que não é pouca coisa. Confio em Silas para arranjar uma solução vitoriosa.

E por falar em Silas saliento mais uma vez a capacidade para dar resposta, quer no campo, quer nas conferências, onde tentam sempre desvalorizar o mérito de quem o tem.

Uma última palavra para o novo logotipo apresentado. Aceito-o como emblema da SAD do Belenenses o que nesta emergência cautelar acaba por se justificar. A escolha pelas Torres de Belém é bem pensada e tem tudo a ver com o Belenenses. Quanto ao design deverá aperfeiçoar-se simplificando e reduzindo o actual chapão.

Saudações azuis


Nota: No final do jogo Rui Pedro Soares fez um apelo à maioria silenciosa no sentido de repor a unidade azul. Concordo, o problema é que as maiorias silenciosas são normalmente silenciosas. Mas há que ter esperança.