quinta-feira, outubro 29, 2020

A oeste nada de novo

O Varandas chamou 'bandido' ao presidente do Porto! Não sei como tenciona visitar a Invicta nos próximos tempos! Carro blindado?! Não me vou meter numa guerra entre 'clubes do estado' embora tenha opinião pouco lisongeira deste Varandas. Acho-o um personagem menor e que não tem tento na língua. Uma nota de rodapé: - a 'fruta' do Pinto da Costa não ganhou títulos europeus e mundiais e, muito importante, nunca me foi ao bolso na qualidade de contribuinte. Já no que diz respeito à 'fruta do sul', só agora investigada, ela entra directamente no meu bolso, via BES e BESA, e não há fim à vista! A única coisa que o Varandas fez digna de nota, e nem deve ter sido ele a fazer, foi a contratação (ainda não liquidada!) do Rúben Amorim. Um treinador a ter em conta.


O Vieira ganhou as eleições no Benfica mas com mais dificuldade. Numa breve análise aos resultados electrónicos podemos concluir o seguinte: - ainda há 60% dos sócios que avalizam e gostam dos métodos utilizados pelo chamado vieirismo. E que não ligam à catadupa de suspeitas que lhes andam associados. O que é preciso é ganhar de qualquer maneira.*


O Porto venceu os gregos com alguma felicidade. Mas venceu. Será que Sérgio Conceição percebeu finalmente que é Nakagima e mais dez! Tipo jogador vagabundo e liberto das obrigações defensivas! Mais, deve ser ele a marcar todos os cantos e todas as faltas perto da área adversária. Nakagima joga como se estivesse a ver o jogo sentado na bancada central! Eu ligo a televisão para ver jogar o Nakagima.


Depois dos rivais o que tenho para escrever sobre o Belenenses é sempre muito mas com uma reserva na alma. Vi o jogo da equipa B no canal Sporting (perdemos 4-1) e vi que é necessário fazer um grande esforço de investimento para nos aproximarmos dos mínimos exigidos. Estivemos parados no tempo durante décadas. Precisamos de apostar na formação. Numa academia. Os jovens têm que voltar a preferir o azul Belém. Olho para o Sporting e vejo uma equipa assente na formação. O que é que nos aconteceu?



Saudações azuis


* Hoje, sexta-feira, é notícia na revista Sábado que o Benfica convidava centenas de figuras importantes para ver os seus jogos, incluindo o pagamento de viagens. Um desses figurões parece que é o juiz que manteve o Rui Pinto a marinar em prisão preventiva. Digam lá então quem é que ganhou as recentes eleições no Benfica! Uma palavra basta.

terça-feira, outubro 27, 2020

Crónicas da vesícula

 

Há jogos que me dão cabo do fígado! Jogos que para mim valem todas as eleições, todas as assembleias, todas as SAD deste mundo, e do outro. São os jogos com o Benfica. Os que gostam de andar pelos distritais, e que acham que aquela equipa não é a do Belenenses, andam a enganar-se a si próprios. O teste azul não engana, e quer sempre que o Benfica perca. Se não querem é mau sinal. É porque já se resignaram. Podem até ter um número de sócio mais baixo que o meu, ( não é fácil), e passar os dias e as noites no Restelo, que isso não altera nada, antes pelo contrário. Costumo dar como exemplo a história do CIF (Clube Internacional de Futebol) que é hoje um clube de ténis que mantém a título simbólico um campo de futebol onde fazem torneios de futebol amador.


O verdadeiro Belenenses só pode ter um objectivo na vida – construir uma equipa competitiva que possa discutir o jogo e o resultado no estádio da Luz. O resto, outras construções, sejam idílicas ou de cimento armado, é deitá-las imediatamente para o caixote do lixo. Entre as construções idílicas, e para não haver dúvidas, saliento a ideia peregrina de assentar o projecto desportivo num projecto imobiliário no Restelo! Ideia que só pode ter partido da cabeça de gente que desconhece que foi a própria construção do estádio do Restelo quem arruinou o Belenenses! E que nos obrigou a vender as nossas estrelas (Yaúca e Peres) aos rivais, cavando-se aí o início da decadência. Isto nem tem conversa.


Mas atenção, hoje este intróito é sobretudo para a SAD de Rui Pedro Soares que é quem comanda actualmente o futebol azul. A equipa que se apresentou no estádio da Luz tarda em ser verdadeiramente competitiva. Defendeu razoávelmente mas não tem dimensão atacante. Vamos por partes:


Uma contrariedade de última hora, a infecção de Cafu, obrigou Petit a mexer no centro da defesa, o que pode constituir uma explicação (e uma atenuante) para alguns deslizes de marcação nos primeiros minutos de jogo. Deslizes que nos custaram um golo e podiam ter custado outro. Depois disso a equipa recompôs-se em termos defensivos.


Uma palavra ainda para o primeiro golo, cópia quase fiel do que aconteceu na época passada – dessa vez André Almeida saltou nas costas do jovem e inexperiente Nilton Varela amortecendo a bola para um colega. Ontem Seferovic saltou nas costas do experiente Ruben Lima e cabeceou directamente para o golo. Em ambos os casos houve a sensação de falta por carga nas costas. O problema é que não se pode facilitar. Facilitar no sentido que não pode ser o baixote Ruben Lima a saltar com Seferovic. E nem me pareceu falta. A ver se para o ano não sofremos outro golo assim!


O segundo golo é fruto de um erro defensivo mais flagrante, saída extemporânea de André Moreira, o que facilitou a vida ao avançado encarnado. Embora o lance tenha que ser analisado desde o início – perda de bola (!), alguma desconexão defensiva, quem sabe se coincidindo com a saída de Esgaio. Tudo isto sem esquecer a velha máxima - sem erros defensivos não haveria golos.


Mas como disse não terá sido por causa da defesa que o Belenenses ficou aquém do esperado. Estas palavras não são minhas, são do Petit. Sejamos claros, uma equipa para conquistar pontos quando visita a Luz, o Dragão ou Alvalade tem que marcar golos. Ora aí o Belenenses está com grandes dificuldades. Não tem um goleador nato e para agravar o problema a nossa transição ofensiva precisa de melhorar. Há muitos passes errados.


Enfim, esta é a crónica possível sabendo da diferença abissal de orçamentos entre as duas equipas, aspecto que nunca irei valorizar. Os problemas de investimento são problemas da SAD e que a SAD tem que resolver.


Resultado final: Benfica 2 – Belenenses 0


Saudações azuis


quinta-feira, outubro 22, 2020

Árbitros e arbitragens

 

Pegando numa deixa de Rui Pedro Soares (VAR) e numa queixa de Sérgio Conceição (Champions) vamos lá analisar a situação.

Um ponto prévio: - estamos em Portugal país que passa a vida a falar de arbitragem sinal certo e seguro de haver muita batota e muito batoteiro. Neste falatório sobressaem três clubes (Benfica, Sporting e Porto) que são por acaso e de longe os mais beneficiados com os 'erros' de arbitragem.


No caso do VAR e dos foras de jogo é evidente que existe uma participação humana na análise dos mesmos. De facto quem decide parar a imagem é alguém do VAR e esse momento condiciona tudo o resto. Já houve sugestões para fabricar uma zona 'neutra' onde o atacante fosse considerado 'em linha', e portanto em jogo. Sendo que a dita zona corresponderia a determinado número de centímetros. Vinte centímetros, por exemplo. Mas nada seria perfeito. Depois, se por um centímetro, no caso 21 centímetros, houvesse um fora de jogo, de novo surgiriam as dúvidas e as críticas.

Concluindo, é difícil agradar a gregos e troianos. O actual sistema talvez favoreça mais as equipas que defendem. Caso do Belenenses embora desta vez tenha sido 'prejudicado'. Acontece.


Passemos à Champions e ao hábito de culpar a arbitragem (VAR incluído) pelas derrotas esquecendo os erros próprios. Sérgio Conceição que tem mau perder apontou logo as baterias ao árbitro. Um árbitro da Letónia que ao contrário do choradinho nacional realizou uma excelente arbitragem. Claro que se afastou do padrão a que estamos habituados – não passou cartão aos saltos de corça de Pepe tentando simular um penalty, nem marcou falta quando Sérgio Oliveira parou por sua conta e risco esperando que o árbitro seguisse as suas instruções. Enganou-se. O juiz letão achou e bem que Sérgio Oliveira, ainda que tivesse sofrido um agarrão, poderia ter continuado com a bola, e deixou prosseguir o lance. Daqui resultou uma tremenda estirada de Marchesin a evitar o quarto golo dos ingleses. Sérgio Oliveira nem é o maior culpado deste tipo de atitude porque na verdade qualquer árbitro português teria obedecido ao jogador do Porto, teria parado o jogo e marcado falta. Pergunto: É a isto que Sérgio Conceição se referia quando exaltou a arbitragem portuguesa?!

Finalmente o penalty foi penalty, o livre que deu o segundo golo foi livre, e no pisão a Marchesin o jogador do City joga a bola primeiro e só a seguir há o contacto inevitável. Convém ter presente que nem todos os pisões são falta. O que ninguém falou a propósito desse lance foi na inépcia do Corona que esteve na origem do penalty. Aliás Corona já tinha dado barraca antes.


Saudações azuis

segunda-feira, outubro 19, 2020

Boa dinâmica, faltou cabeça!

 

Um empate em branco, mais um, um bom jogo da nossa parte, mais um, e uma série de golos falhados por inépcia, o que já não é novidade. O réu maior deste jogo é Cassierra, não só pela posição que ocupa como pelas esperanças que suscita. Tem tudo para ser um bom finalizador mas ainda não é. Tem uma boa recepção de bola, sabe o que fazer com ela, movimenta-se bem pelas faixas, tem um bom arranque, e aparece no sítio certo para finalizar. O problema é que finaliza muito mal. Sendo um jovem tudo se resolve com o treino. Nomeadamente o remate de cabeça. Até porque tem as condições físicas ideais para tal - é alto e eleva-se bem. Precisa de encontrar o tempo de salto e o jeito. Contratem um antigo jogador, expert na matéria, para o ajudar nos treinos. E não estou a brincar.

Aliás já várias vezes referi que atendendo ao equilíbrio que existe no campeonato, as equipas que disponham de bons finalizadores podem fazer a diferença. A diferença entre os três pontos da vitória e o pontinho do empate. O Belenenses ontem perdeu dois pontos que bem merecia.

Claro que também perdemos dois pontos contra o Famalicão por erros defensivos. E já que estou a focar-me no capítulo individual quero chamar a a atenção, de novo, para o Cafu Phete. Nomeadamente para as desconcentrações que podem ser fatais. Contra o Famalicão falhou num lance que não podia falhar, e neste jogo teve também um minuto terrível, com decisões incompreensíveis. Deixou passar uma bola que devia ter interceptado/aliviado e fez logo a seguir um passe para um adversário deixando a equipa em contra pé. Não pode ser. É verdade que as suas exibições têm sido globalmente positivas, tem um excelente jogo aéreo, mas estes deslizes não podem acontecer. É por isso que gosto mais de o ver na linha média que lá atrás.

E depois das criticas individuais termino com um destaque. Desta vez vai para André Moreira que tem merecido permanecer na baliza. Salvou um lance de golo na melhor oportunidade do Moreirense e ainda teve que corrigir milagrosamente o erro de Cafu Phete. Vamos ver se consegue dar conta do recado no próximo jogo contra o Benfica. Um jogo com muitos cruzamentos, faceta onde não é tão forte. Mas vamos confiar no André.

Resultado final: Belenenses 0 - Moreirense 0

Saudações azuis

Nota eleitoral: - Gostava de receber um feed back das listas B e C sobre o rescaldo destas eleições porque é importante fidelizar os associados que votaram numa alternativa ao caminho seguido pela direcção reeleita.  

domingo, outubro 18, 2020

De vitória em vitória...

Fui ontem votar com o único intuito de fazer alguma coisa por este Belenenses, um clube irreconhecível, sem futebol profissional, e com um número de sócios pagantes próprio de uma sociedade recreativa - menos de dois mil! E nestas eleições, segundo as notícias vindas a público, terão votado apenas 1.460 associados! E se a este número quisermos abater cerca de quatrocentos atletas/sócios, que hoje estão no Belenenses mas que amanhã, se tiverem qualidade, estarão noutro lado, ficamos com uma ideia ainda mais triste do ponto a que chegámos. E de quem nos leva por este caminho.


Este cenário era aliás previsível, proclamei-o muitas vezes – o Belenenses será um dia capturado por um grupo de associados para quem o futebol é apenas mais uma modalidade. E assim foi. Com efeito quer na campanha eleitoral quer no discurso de vitória o reeleito Patrick Morais de Carvalho parece satisfeito com a sua equipa de futebol amador, e os sócios que nele votaram também. Acreditam que um dia as leis irão mudar, os investidores tornar-se-ão benfeitores, e o projecto imobiliário do Restelo vai sustentar uma grande equipa de futebol! E enquanto acreditam nisto é provável que nas próximas eleições em vez de 1460 votem metade e talvez se volte a falar no 'projecto imobiliário do Restelo'.


Mas enfim, nem tudo foi mau. Ficou pelo menos traçada uma alternativa. Uma alternativa para o diálogo e para o regresso do Belenenses à sua história. Vale perto de 30% em nùmero de votos o que se considerarmos todas as querelas, divisões, litigãncias é um número bastante positivo e até inesperado para os mais acirrados defensores da actual direcção.


Resultados segundo o jornal 'A Bola':

Lista A - 63,5%

Lista B – 7,8%

Lista C – 28,7%


Saudações azuis



Nota: Boa nota para a organização do acto eleitoral.


quinta-feira, outubro 15, 2020

Os candidatos e as candidaturas

No meu último postal clarifiquei sem deixar dúvidas qual será o meu sentido de voto bem como as razões para o fazer. Agora que recebi os projectos (linhas gerais) das três candidaturas vou alargar-me um pouco mais a analisar o assunto.

Temos então a Lista A (Patrick Morais de Carvalho) que se recandidata a novo mandato com o lema – 'Belenenses com futuro';

A Lista B (Carlos Canhoto Fernandes) cujo lema é 'Erguer o Belenenses';

E a Lista C (Luís Figueiredo) que enviou um pequeno jornal onde se consubstanciavam as razões e os objectivos de uma candidatura que concorre com o lema 'Respeitar a História'.


Todas as candidaturas me merecem atenção e em todas conheço (e reconheço) verdadeiros belenenses apenas preocupados em encontrar a melhor solução para o Clube. No entanto há diferenças e as possibilidades de sucesso também não são as mesmas.


A Lista A que representa a actual Direcção propõe-se continuar o caminho de litigância e divórcio com a SAD justificando todos os seus actos com a defesa do Clube. A defesa do seu prestígio e história! 

Os resultados são estes: - o Clube de Futebol 'Os Belenenses' deixou de ter futebol profissional e a única esperança que existe é que a lei mude um dia! Quanto à massa associativa ela está reduzida à expressão de 1.974 sócios pagantes! São dados actualizados e que constam dos cadernos eleitorais. E naquele número, calculo eu, devem estar incluídos atletas, pessoas, e entidades, que de uma maneira ou de outra têm alguma dependência do orçamento do Clube. E que assim, no próximo sábado, irão votar em 'causa própria'!

Ora bem, creio que não é preciso acrescentar mais nada. Nem se percebe como, perante tal fracasso, ainda há coragem para uma recandidatura!


A Lista B (Carlos Canhoto Fernandes) pretende ser diferente da Lista A mas não é. Acusa a actual direcção de litigar com tudo e com todos mas mantém a estratégia de litigância com a SAD. Enquanto isso espera também por mudanças na lei ou na sua interpretação. É uma política perigosa e que normalmente traz consigo mais litigância. Uma política que adia o Belenenses. E o Belenenses já não tem tempo para esperar. Faz-me até confusão como ainda há gente que assenta a sua estratégia eleitoral nas decisões da justiça portuguesa! 


Finalmente a Lista C (Luís Figueiredo) promete uma solução concertada com a SAD assim como o regresso da equipa de futebol profissional ao Restelo. Afirma e cito 'existe a capacidade desta candidatura e minha para negociar e resolver o problema. E o primeiro passo para esse objectivo é fazer uma proposta de recompra da SAD'.

Não preciso de saber mais nada. São sócios do Belenenses, sócios antigos, e dizem-me que são pouco conhecidos no Restelo. Isso para mim pode ser uma vantagem.


Saudações azuis

segunda-feira, outubro 12, 2020

Futebol de fachada e eleições à vista

Depois de mais um episódio selectivo que segundo os sábios, é o alfa e o ómega do nosso futebol, vamos voltar ao que interessa à esmagadora maioria dos clubes - o campeonato. Afinal onde tudo começa e tudo devia acabar não fora a existência dos sábios. E de uma infindável teia de interesses, uns melhores que os outros, e que me dispenso de enumerar. Não, não sou contra as provas internacionais, acho apenas que são um exagero e que para os clubes pequenos e médios só dão prejuízo. Mas para quê falar em ninharias se afinal somos ricos! Sinal exterior dessa riqueza é, por exemplo, o anunciado novo edifício-sede da Liga! Será mesmo necessário?! E nesta altura?! Ou já ninguém escapa à prometida 'bazuca' comunitária?!

Passemos então ás eleições no Clube de Futebol 'Os Belenenses', clube do qual sou sócio desde que me conheço. Desta vez, pese a pandemia, tenciono ir ao Restelo votar. E os meus votos não podem ser secretos dado que estamos numa situação limite. Votarei na lista que se propõe acabar com a guerra civil instalada fazendo regressar a equipa de futebol ao seu estádio e de onde nunca deveria ter saído. E para os mais esquecidos lembro que da última vez que votei foi também com o mesmo intuito. Votei em nome da unidade, e em quem prometia uma relação saudável entre o Clube e a SAD. Infelizmente não cumpriram o que prometeram.


Saudações azuis