quarta-feira, setembro 18, 2019

Futebol português – import/export!


Este poderia ser o cognome de muitas outras actividades mas fiquemo-nos pelo futebol, pelas suas vaidades e alucinações. E naturalmente pela propaganda que é dos produtos que tem maior saída. Com o mercado externo no entanto é preciso ter cuidado, evitando vender gato por lebre. Conclusão: - no Seixal não há minas de ouro, e mesmo que arrebanhem todos os jovens talentos de aquém e de além mar subsiste sempre a velha máxima – quem vende os melhores fica naturalmente com os piores. As coisas são o que são.
Quer isto dizer que a estratégia está errada?! Não. Quer apenas dizer que a propaganda tem limites.

Mudando de assunto, Silas despediu-se do Belenenses fazendo um resumo da sua passagem ao comando da equipa principal. Seiscentos dias num resumo esclarecedor pautado pela dignidade e pela gratidão, virtudes que destaco e fazem dele um homem de confiança. Uma raridade nos tempos que correm!

Para terminar, duas questões de justiça: - esclarecido que o plantel foi escolhido pelo actual treinador Pedro Ribeiro, em comunhão com a SAD, podemos agora atribuir as naturais responsabilidades a quem de direito. Para o bem e para o mal. Também por isso não vou questionar a gestão de compras e vendas deixando isso a quem já deu provas de saber aquilo que faz.*

A segunda questão prende-se também com a justiça, expressão usada por Rui Pedro Soares quando questionado sobre o balanço dos 'seiscentos dias' de Silas. Rematou: - 'fez-se justiça ao plantel que tínhamos´'. E deu o exemplo dos vários jogadores que saíram para clubes importantes. Silas veio agora completar a frase chamando a si a quota parte da valorização dos mesmos jogadores. E creio que assim se fez justiça. A todos.

Saudações azuis


*(Adenda): - O que não me impede de comentar, como sempre faço, o acerto ou desacerto desta ou daquela contratação, desta ou daquela dispensa, assim como sugerir outras políticas para o futuro do Belenenses. Que é aliás a razão de ser deste espaço, pese a enorme limitação de me basear exclusivamente naquilo que vejo ou nas notícias veiculadas pelos media. Dito isto posso compreender os ajustes no plantel rescindindo com alguns jogadores que na verdade vão perdendo espaço com a chegada ou a recuperação de outros mais promissores. Liullic é um destes casos. No meio campo ofensivo não tem lugar. Cobre mal a bola, perde-a e perde-se com facilidade e o seu famoso pé esquerdo ainda não acertou na baliza. Que tenha mais sorte noutras paragens.
Sobre Eduardo Kau e a sua complicada lesão só lhe posso desejar as melhoras e que regresse depressa pois faz falta ao Belenenses.

terça-feira, setembro 17, 2019

Crónica alegre!


Já era tempo de uma alegria! E de ver um jogo com muitas camisolas azuis no ataque à baliza adversária! Sintomático o facto de no banco de suplentes existirem poucos defesas de raiz! E afinal o Benny existe, assim como outros jovens jogadores que entraram e mostraram valor, numa dinâmica de conjunto que ainda tem falhas. O que é natural quando se mudam processos de jogo. Concluindo e sem desmerecer do trabalho de Silas prefiro o Belenenses nesta versão, uma versão mais ofensiva, mais simples e directa, ainda que mais arriscada. A prova do risco (e do erro) vimo-la nós no início da segunda parte onde alguns equívocos de marcação entre Chima e André Sousa, abriram o corredor esquerdo ao primeiro golo do Marítimo. Um golo que empolgou os insulares e que poderia ter causado outros danos. Nessa altura a equipa soube sofrer e o treinador soube reagir fazendo entrar homens de meio campo, jogadores que sabem o que fazer à bola, retirando iniciativa ao Marítimo. E na parte final até poderíamos ter marcado mais golos não fora a falta de treino nessas situações. E antes das menções individuais o devido realce ao aproveitamento das bolas paradas, factor decisivo no futebol moderno.

Quanto aos destaques todos deram o litro mas... Hervé Koffi é o meu ídolo e mais uma vez constatei a segurança e a elegância com que guarda a baliza! A dupla de centrais esteve incansável e Gonçalo Silva merece lugar de honra. No que toca ao central Tomás Morais, o primeiro elogio vai para o treinador pela coragem de o lançar num jogo decisivo! E o rapaz até correspondeu! Nuno Coelho jogou mais adiantado que o costume e fez valer a sua experiência. Gostei da exibição de Chima na lateral esquerda, salvo o lapso de marcação no golo do Marítimo. André Santos começa finalmente a carburar para a frente e pelos vistos é melhor tê-lo perto da área adversária do que da nossa. Grande golo e grande pontapé ao poste. Quanto a André Sousa e por muito que eu queira ver-lhe defeitos, o golo que marcou redimiu-o e sossegou o universo azul. Parabéns! Kikas está mais confiante, e dos novos que nunca tinham alinhado gostei de todos eles. Robinho no entanto, destacou-se.

Resultado final: Marítimo 1 – Belenenses 3

Saudações azuis

sexta-feira, setembro 13, 2019

A separação de poderes no camarote da Luz!


'O Benfica é maior que Portugal'! Bolsou um distinto administrador da respectiva SAD! Não sei se disse isto na sequência da decisão judicial que poupou a SAD encarnada no caso e.toupeira ou se foi por outro motivo qualquer. Isso agora não interessa. Porque eu concordo e também acho que o Benfica é de facto (e de direito) maior que Portugal. E sendo assim, só me ocorre aplicar ao Benfica a mesma receita que apliquei a uma mesa que adquiri e não cabe lá em casa! Desmontei-a, está encostada a uma parede, e à primeira oportunidade tenciono despachá-la para um lugar onde verdadeiramente caiba e se sinta feliz. O problema é que eu estou desconfiado que fora daqui, num sítio onde as leis se cumpram, as regras sejam iguais para todos, e a justiça funcione, o Benfica não vai caber nem vai ser feliz! Acho até, como na história do sapo e do boi, que ou faz dieta ou então rebenta como o sapo.

Noutra perspectiva, socorrendo-me das imagens, posso também concluir que a grandeza do Benfica é mais um produto da propaganda e dos favores do regime do que uma coisa real por dentro. Comparo aliás esta aparente grandeza ao que se passava na união soviética relativamente aos clubes desse mesmo regime (Lokomotiv, Dynamo, etc,) clubes que com o advento da democracia acabaram por desaparecer. É claro que o Benfica, tal como o regime, pensam que são eternos. No entanto, às vezes, quando o escândalo se torna insuportável, costuma acontecer qualquer coisa.

Saudações azuis

domingo, setembro 08, 2019

Soccerex para inglês ver!


Fernando Gomes actual presidente da Federação Portuguesa de Futebol está cheio de medalhas! Laureado com o campeonato da Europa de selecções, e não só, sempre na linha da frente da novidade e das altas tecnologias, faz espécie que tanta modernidade e progresso não cheguem ao futebol português! Falo do nosso campeonato, e falo de muitas outras coisas onde permanecemos orgulhosamente sós! Senão vejamos:

Soubemos agora pela boca de Javier Tebas, presidente da Federação espanhola, que a Federação Gomes foi a grande entusiasta na implementação da Super Liga Europeia, um campeonato de elite apenas reservado aos grandes clubes da Europa! A dita proposta foi naturalmente chumbada com os votos contra de todas as Ligas europeias (incluindo a Liga portuguesa) e com dois argumentos decisivos: - seria a morte anunciada das pequenas ligas e dos respectivos campeonatos nacionais, e ao mesmo tempo aumentaria o fosso entre clubes grandes e pequenos. Ora bem, a posição assumida pela nossa Federação é, no mínimo, incompreensível! Num país onde subsiste uma das Ligas mais frágeis e artificiais da Europa e onde o fosso entre clubes grandes e pequenos é para além de abissal, eterno, não se percebe que interesses defende a nossa federação! Ou que tipo de campeonato nacional advoga?! Será apenas passaporte para chegar aos milhões da UEFA?!

É que a partir daqui começamos a compreender outras coisas. Desde logo o facto de sermos o único país na Europa que ainda não tem os direitos televisivos centralizados numa única entidade! Entidade que os negociaria em bloco, distribuindo a respectiva receita de acordo com regras claras e equitativas. Uma medida que tem sido implementada com sucesso em toda a parte, e onde todos ficaram a ganhar! É claro que, como explicou Javier Tebas, e face aos interesses instalados, houve países onde os respectivos governos tiveram que intervir. E deu o exemplo de Espanha e Itália. Mas os governos intervieram e ponto final.
Portanto e mais uma vez a pergunta é: - mas afinal o que é que se passa com Portugal?! Que resistências invencíveis impedem a Liga, a Federação e a tutela de fazer aquilo que a equidade, a competitividade e uma verdadeira indústria do futebol exigem?!
Ou vamos continuar a fugir ao assunto vendendo a (falsa) ideia que os clubes são livres para decidir o que quiserem! Um sofisma porque ninguém é livre numa sociedade (neste caso, numa competição) de senhores e de escravos. Mesmo que os escravos gostem de ser escravos.


Um outro vício nacional são as 'caixas de esmolas'! Peditórios que a federação vai inventando para acudir às aflições dos clubes grandes. Ponto prévio: - a caixinha de que vos vou falar agora não é da inteira responsabilidade deste Gomes, vem de trás, mas continua a ser da responsabilidade da Federação. Refiro-me ao estádio nacional, preterido na altura da organização do europeu. Estádio nacional que é a casa natural da selecção quando joga na condição de visitada. Então agora o que é que acontece?! Para além do absurdo de termos um estádio nacional a degradar-se, a Federação e os contribuintes portugueses, de cada vez que a selecção joga em casa, têm que pagar o aluguer do estádio da Luz, do Dragão, ou de Alvalade! Isto fez-se de propósito ou foi só incompetência?!

Eu inclino-me para que foi de propósito. E confirmo esta minha inclinação na recente proposta de um dirigente federativo alvitrando que em cada fim de semana haja um jogo da Liga NOS transmitido em canal aberto. Estamos a falar de quê?! Do Tondela-Aves?! Ou é mais um subterfúgio para dar mais uns tostões aos três clubes do estado?!

E termino com um último e decisivo exemplo da desvalorização do nosso campeonato nacional. Pois por muito que vos custe aceitar, e ao contrário do que nos querem fazer crer, a actual selecção nacional é a prova evidente dessa mesma desvalorização. Não está em causa o seu valor, que é indiscutível, mas hoje em dia é práticamente uma selecção de emigrantes! E já não são apenas emigrantes de luxo a jogarem nos grandes clubes europeus. Muitos dos seleccionados contra a Sérvia alinham em clubes menores, seja em Inglaterra, seja na Grécia ou na Turquia. E é por aqui que devemos aferir das dificuldades dos clubes portugueses face ao mercado. Clubes falidos, sem qualquer capacidade de retenção, obrigados a vender tudo o que formam! E estamos a falar de jogadores cada vez mais jovens que saem para outros campeonatos em busca de melhores condições. 

Como diz o povo, hoje vendem-se os anéis, amanhã vamos vender os dedos! Isto enquanto a Federação continua a enriquecer! A fazer lembrar um capitalismo de estado que julgávamos extinto na Europa após a queda do muro de Berlim! É este o 'progresso' que queremos para o nosso futebol?!


Saudações azuis

quinta-feira, setembro 05, 2019

Agradecimento de olhos no futuro!


Silas e Zé Pedro, dupla de treinadores improvável, atravessaram com grande dignidade um período muito difícil da história do Belenenses. Isto tem que ser dito. Corresponde à expulsão do Restelo, juntamente com a principal equipa do Belenenses, e durante todo este tempo tentaram dar o melhor que podiam e sabiam. E sempre com espírito positivo. Não é para todos. Por isso, daqui deste espaço azul, vai o meu profundo agradecimento. No meu Belenenses vocês terão sempre lugar.

A vida de treinador no entanto depende dos resultados e no caso do Belenenses, face às circunstâncias de todos conhecidas, o perigo (e a desgraça maior) têm sido as descidas de divisão. Essas sim os períodos mais negros da história do Belenenses. Este discurso não se aplica obviamente a quem já interiorizou esse hábito e até gosta de jogar nos distritais. Desde que mantenham a sua 'quintinha' no Restelo. Se a situação fosse ao contrário já ponho as minhas dúvidas.

Olhemos então o futuro. Na verdade, se formos honestos, constituiu sempre um grande handicap, a juntar aos outros, o facto do treinador não poder intervir directamente durante o jogo. Já sem falar nas explicações de viva voz (no flash) sobre as ocorrências do mesmo. E se é verdade que as qualidades de Silas são reais, quando estamos a falar do Belenenses existem outros aspectos que também contam. Para o bem e para o mal. Silas ganhou grande parte da sua aura nos jogos da época passada contra o Benfica e perdeu grande parte dela quando foi goleado pelo Sporting. Isto são coisas que eu percebo, que a SAD começa a perceber, mas admito que muitos não percebam.

Uma última palavra para Rui Pedro Soares, tradicional saco de pancada de toda a gente, eu incluído, que nunca teve vida fácil, mas tem revelado capacidade para decidir e para aprender o que é o Belenenses. No caso de Silas e Zé Pedro, que transportam consigo uma carga identitária importante, acredito que terá sido uma decisão muito difícil. Mas também acredito que terá pesado bem todas as consequências. De olhos postos no futuro.

Saudações azuis


terça-feira, setembro 03, 2019

O mercado dos pobres


No mercado dos pobres, ou dos falsos ricos, a excitação é muita mas não passa disso. Como diz o povo – muita parra e pouca uva! Estou a pensar no Benfica, no Sporting e no Porto, únicos clubes que interessam à nossa comunicação social, mas posso estender o raciocínio aos restantes clubes. É só uma questão de escala e … muita publicidade. Quanto à excitação, ela só significa mais pobreza. Quer dizer que há gente demais a viver deste futebol fictício. Um futebol cifrão, cheio de amor ao clube, com fados e guitarradas à mistura, mas onde o dinheiro misteriosamente acaba por ir parar não se sabe aonde! Única explicação para tantos milhões anunciados e para tanta dívida acumulada! Para doirar a pílula temos os prémios da Federação Gomes! Portugal Futebol Clube é o nome desta nova pátria e o seu novo desígnio. Desígnio exportador de talentos, desígnio que não depende de nós mas do mercado. Ou seja, da carteira e da vontade dos potenciais compradores. Talvez fosse de valorizar mais o nosso campeonato! O que é que achas, oh Gomes?!

Mas que interessa isso quando temos entre nós um super agente! Navegador da galáxia que transforma esperanças em negócios do arco da velha! Na senda de João Félix, Bruno Fernandes já está vendido por um balúrdio, não se sabe a quem, nem isso interessa, porque o rapaz vai continuar no Sporting! O clube comprador (ou benfeitor) arrisca tudo e o Sporting não arrisca nada! Quem paga o juro da engenharia é melhor nem falar. Melhor que isto nem nas viagens do Gama!

E agora vou centrar-me no mercado do Belenenses. Veio um jovem avançado do Ajax, o colombiano Mateo Cassierra, a título definitivo, com três anos de contrato, o que é de saudar e corresponde ao caminho que nos convém: - valorizar o que é nosso. Quanto a saídas registámos a de Mika para a Académica, um bom guarda-redes mas naturalmente tapado por Koffi e Moreira. E saiu também por empréstimo o defesa direito Gonçalo Tavares para alinhar na equipa B do Granada. Penso que com Calila e Simon Perez a posição fica salvaguardada.
E percebemos que não tenha vindo mais ninguém nestas últimas horas uma vez que ainda temos a 'armada francesa' (e não só) para explorar. Destes, e pelo que vi, quer Koffi quer Show têm lugar no onze principal. Os outros – Faraj, Brym, Akim, Shano – não posso dar uma opinião abalizada. Mal os vi jogar. Mas Silas conhece o seu valor e se estão lá, é com o seu assentimento. Aliás Silas só não queria era perder jogadores. E não perdeu. Tem agora duas semanas para implementar um futebol mais atraente e sobretudo mais eficaz. E o tempo urge.

Saudações azuis

domingo, setembro 01, 2019

Crónica dos dias difíceis...


No jogo das pequenas vinganças Lito ganhou mas engasgou-se quando falava sobre os méritos da vitória. Silas por sua vez desculpou-se com a injustiça do resultado. Ambos fugiram à verdade. De facto no jogo das tácticas Silas bloqueou o ataque axadrezado, que costuma criar ocasiões mas desta vez só as teve graças a dois brindes dos centrais azuis. O primeiro ainda no primeiro quarto de hora, um erro repetitivo de Gonçalo Silva – passe de transição rasteiro para a zona central do meio campo, passe de alto risco, com a bola a ser imediatamente devolvida à procedência e com Gonçalo já fora do lance. Escorregou no relvado traiçoeiro e Heriberto rematou torto, ao lado. O segundo erro e que ditou o resultado aconteceu já na segunda parte, um erro imperdoável de Nuno Coelho, que não merecia o deslize face à esgotante tarefa de andar a fazer circulação de bola lá atrás à espera de uma aberta para o passe longo nas costas da defesa do Boavista. Quem não tem culpa disto é o público que já não aguenta este jogo enfadonho ainda por cima sujeito a erros fatais pois a probabilidade de acontecerem perto da nossa área é muito grande. E no fim das contas se analisarmos o saldo positivo de tanta canseira, de tanto lançamento, a coisa resume-se a dois lances de perigo: - um desperdiçado por Calila, outro por Licá. É curto. Está na hora de mudar o chip. Para isso a equipa necessita de ter jogadores de mais qualidade quer no meio campo, quer no ataque, ou seja, quer na recepção da bola, na rotação apropriada e na capacidade para prosseguir a jogada. Naturalmente em direcção à baliza contrária. Neste aspecto, Show foi uma agradável surpresa e não tenho dúvidas que a camisola seis será dele. Infelizmente não será no próximo jogo atendendo a que a Liga NOS não é o Gira Bola. Uma factura, a factura da ingenuidade, que vamos ter que pagar. Mas nem tudo está mal, continuamos a ter o Koffi que quase defendia o remate fatal de Heriberto. E hoje fico-me por aqui.

Resultado final: Belenenses 0 – Boavista 1


Saudações azuis


Nota: Já perto do final e com a necessidade de chegarmos pelo menos ao empate, Silas lançou na partida mais dois jovens oriundos do Lille. E o que podemos dizer é o mesmo de sempre. Vê-se que são jogadores talentosos mas que precisam de tempo para ajudar a resolver os problemas estruturais da equipa. Para isso talvez aquele avançado centro do Irão que joga no Rio Ave e que fez a cabeça em água à defesa do Sporting! E por falar em Sporting já não se aguenta a novela Bruno Fernandes que ainda por cima tem mau perder. Farta-se de dar cacetada em campo e os árbitros, nada. Se alguém lhe toca é logo falta. Nunca se esqueçam do que eu sempre disse: - o nacional benfiquismo também inclui o Sporting. O Sporting com varanda para a luz. Embora um bocadinho mais pequeno. Na proporção do verde e encarnado na bandeira do regime.