domingo, agosto 12, 2018

Vitória em Tondela!


'Não gosto de ganhar assim...' foi com estas palavras que Silas se expressou após ter vencido o Tondela por uma bola a zero! Palavras de leader que não se eximiu a criticar alguns jogadores do Belenenses que na parte final se atiraram para o chão para queimar tempo. Não foi escandaloso, contei um ou dois jogadores, e por pouco tempo, mas concordo em absoluto com o treinador que, sagaz como é, começava ali a preparação do próximo jogo! De facto é na mentalidade, mais do que noutros aspectos que as equipas se diferenciam. E quem quer ser grande tem que mostrar essa grandeza nas atitudes. Mas não quero ser mais papista que o papa e hoje não há nenhum belenense que não esteja contente com a vitória e que até perdoa algum desnorte quando passámos para a frente no marcador.

Quanto ao jogo em si, a nova equipa do Belenenses, são seis caras novas, um miolo novo, até que não desagradou durante a primeira parte! Trocou bem a bola cá atrás, deu profundidade ao corredor central como há muito não se via, e conseguiu duas ou três entradas na área adversária, ao primeiro toque, que foram uma amostra do que podemos fazer durante o campeonato. Em resumo, controlou o jogo. O Tondela só ameaçou verdadeiramente pelo flanco direito onde se notou alguma descoordenação da nossa parte. Em especial nas dobras. É caso para dizer que jogámos com dois defesas esquerdos mas isso às vezes parecia não chegar!

A segunda parte manteve o mesmo diapasão, ambas as equipas jogavam pelo seguro optando pelo contra golpe rápido, envolvendo poucos elementos, até que chegou o golo de Fredy, um belo golo diga-se, um remate de primeira em resposta a um belo cruzamento (liftado) de Diogo Viana! E foi então a partir daqui que as coisas começaram a descontrolar-se, veio a ansiedade, o Tondela meteu mais artilharia, e poderia ter chegado ao empate. Não chegou, faltou-lhe uma ponta de sorte, enquanto que do lado da defensiva azul sobrou espírito de sacrifício e grande capacidade no jogo aéreo! E Muriel não faltou à chamada!

Nestas circunstâncias os grandes destaques individuais vão para os centrais, para o trinco e para o guarda-redes. Mas deu para ver, apesar das necessárias afinações que irão por certo acontecer, que Keita é um avançado com classe, que Lucca entrou mal mas foi melhorando, e ficou na retina uma abertura magistral de Ljulic. Mas há no plantel (pareceu-me) várias possibilidades e muita margem de progressão.

Resultado final: Tondela 0 – Belenenses 1

Saudações azuis

sexta-feira, agosto 10, 2018

Bola de saída


O campeonato vai começar esta sexta -feira, infelizmente com os mesmos vícios dos anteriores, infelizmente com os mesmos cronistas que o nacional benfiquismo produziu ao longo de décadas de propaganda enganosa. Enganosa e estupidificante.

Comecemos por aqui, pelo Delgado da Bola que não sabe fazer contas ou sabe mas a cartilha é mais forte. Diz ele que vamos entrar no 85º campeonato ignorando assim que a Federação Portuguesa de Futebol já fez cem anos e organiza campeonatos em Portugal desde a época de 1921/22. Percebe-se assim porque é que os campeões do passado aguardam ainda a respectiva reabilitação. E percebemos também quem manda na Federação. O Gomes do Porto ou obedece, ou encomenda um estudo a uma universidade para aprender a contar até cem!

Outro dos vícios que ainda não foi sanado tem a ver com o facto insólito de haver em Portugal um clube, que ao contrário de todos os outros, produz, quando joga em casa, as respectivas transmissões televisivas! Transmissões que servem de base às análises do vídeo árbitro! E depois admiram-se com a suspeição e com a violência!

E já que falámos em suspeição achamos estranho que as autoridades desportivas se tenham posto completamente à margem dos vários processos em investigação e cujos indícios anunciam que tem havido grossa batota na primeira Liga portuguesa de futebol profissional! Ou em Portugal só se investiga?!

E quando nos referimos à Liga falamos da inacção, da desigualdade, do fosso cada vez maior entre os competidores, e a pergunta que vem à baila é sempre a mesma: - para quando a centralização dos direitos televisivos (a sua negociação em bloco) por forma a conseguir um melhor preço e assim assegurar uma melhor distribuição?! Ou Portugal é um caso isolado como diz a canção?!

Até um dia que alguém 'os tenha no sítio' e levante a pertinente questão dos direitos de imagem!

E termino com um aviso à comunicação social e à respectiva tutela: - se continuarmos a dar toda a atenção apenas aos três clubes ditos grandes é possível que em breve não seja possível, nem valha a pena, organizarmos um campeonato nacional. Nessa altura, provávelmente, deixámos de ser país, passámos à condição de região ibérica, e admito que isso possa agradar a alguns mas com o decorrer do tempo vai desagradar a muitos. É uma previsão.

Saudações azuis

quarta-feira, agosto 08, 2018

A casa do Belenenses!

Já uma vez escrevi que a casa do Belenenses é onde a sua equipa de futebol estiver a jogar. E sobre a querela inútil se o Belenenses são os seus sócios ou a sua equipa mais representativa a resposta é a mesma da galinha e do ovo. Ou seja, os primeiros adeptos do Belenenses foram os onze jogadores que suaram pela primeira vez aquela camisola azul que tem uma cruz no peito. Por isso quando se diz (da boca para fora) que o clube são os seus sócios convém ter algum cuidado e incluir nesse número não apenas os actuais pagantes mas todos aqueles, e são uma imensa maioria, que nestes cem anos também se quotizaram e também apoiaram o clube. Muitos dos quais já terão falecido. É em nome dessa memória que me sinto à vontade para dizer que a casa do Belenenses é o Restelo muito embora esteja impedido de lá jogar! Uma situação insólita mas a vida continua.

E continua no estádio nacional, sem qualquer problema, especialmente para quem se lembra que o Restelo já foi estádio municipal e na altura a bola continuou a rolar. E a equipa manteve a identidade.
Mais importante será a estratégia de modernização que a SAD tem em vista. E aqui é de tomar especial cuidado com as características que distinguem o Belenenses. Como venho dizendo é um clube marítimo e seria importante mantê-lo próximo do estuário do Tejo. Neste sentido sugere-se que o concelho de Almada outrora grande alfobre de adeptos pudesse ter a oportunidade de ver com frequência a recém criada equipa de sub-23. Quanto à academia a possibilidade de algum terreno em Monsanto é uma hipótese a explorar. O Restelo seria naturalmente a sala de visitas da equipa principal. Isto quando os actuais 'senhorios' cairem em si.


Saudações azuis

segunda-feira, agosto 06, 2018

Encontros ibéricos - Belenenses vence Rayo Vallecano!


Se fosse o Benfica (ou o Sporting de Sousa Cintra) a notícia (garrafal) seria assim: - Benfica conquista troféu ibérico! Uma vez que não foi o que podemos ler são preciosidades deste género – 'Belenenses, da Liga NOS, vence Rayo Vallecano nas grandes penalidades'! Reparem nas várias nuances deste jornalismo de lixo que faria as delícias em qualquer união soviética fora de prazo. Curiosa a expressão 'Belenenses da Liga NOS' como se houvesse outro a militar nalguma liga MEO!

Deixando para trás o problema comunicacional e graças à transmissão televisiva lá consegui ver uma amostra do Belenenses 2018/2019. Sair de casa com quarenta graus isso é impensável nesta altura do campeonato. Do meu campeonato. Quem não tem culpa disto são os jogadores que ofereceram um espectáculo interessante para princípio de época e que já deu para tirar algumas ilacções:

A primeira é a absoluta necessidade de ser criado um canal do Belenenses que assegure a ligação entre os adeptos e a equipa, com capacidade inclusivé para transmitir alguns jogos (sub 23, por exemplo) porque se continuamos entregues à comunicação social existente estamos perdidos. O facebook não chega.

A segunda ilacção não é novidade ou só é novidade para aqueles que vão atrás da propaganda das selecções. Refiro-me à realidade destes confrontos ibéricos e que revelam que qualquer equipa espanhola, mesmo recém promovida como é o caso do Rayo, tem mais argumentos que qualquer equipa portuguesa da primeira Liga. Exceptuando naturalmente os três clubes do estado que, como o nome indica, sendo sustentados pelo estado, vivem (ou têm vivido) claramente acima das suas possibilidades. Tal como o próprio estado. Confirmar este assunto junto dos lesados do BES e de outros bancos falidos.

E passemos ao jogo e aos jogadores, alguns dos quais nunca tinha visto actuar.
Gostei dos dois laterais esquerdos Zacharya e Reinildo, rápidos e com sentido ofensivo. A ala direita defensiva do primeiro tempo (Sagna e Dálcio) não funcionou. No meio campo o médio Ljulic revelou atributos incluindo um bom pé esquerdo. Falhou apenas nas dobras. E também gostei do Eduardo, rápido a pensar e executar. Lucca que jogou na primeira parte esteve mais discreto. Sobre os avançados, Henrique ainda está a ganhar espaço. Tal como Kikas, que me fez lembrar o Pauleta do início.


Sobre os que transitaram esperemos que corrijam os seus defeitos e melhorem nas suas virtudes. Ainda me irritei com algumas parvoíces do Freddy e alguns passes errados do Gonçalo Silva. Muriel esteve bem e defendeu dois penalties.
Deixei para o fim um dos novos que já não é novo mas promete ser útil – Nuno Coelho! Um daqueles jogadores 'quasi' de que falava o poeta. Mas que no Belenenses vai claramente ''além'. Marcou o golo do empate e esteve sempre em jogo.


Saudações azuis

domingo, julho 29, 2018

Belenenses bate Oliveirense (3-1)

O Belenenses bateu a Oliveirense (3-1) e qualificou-se para a fase de grupos da Taça da Liga. O jogo realizou-se no estádio nacional (casa emprestada dos azuis esta época) e foi presenciado por cerca de mil e quinhentos espectadores. Os golos do Belenenses foram marcados por Fredy (2) e Keita.

Ora bem, por motivos particulares não pude estar presente como gostaria e assim abstenho-me de fazer qualquer comentário de natureza técnica. No entanto sei como estes jogos são complicados  bastando recordar o que aconteceu o ano passado frente ao Real Massamá. Fomos vencidos no Restelo e só prosseguimos em prova porque o adversário tinha um jogador mal inscrito Não há jogos fáceis.

Mas se não posso comentar os aspectos técnicos posso constatar que para uma tarde de Julho, e num primeiro jogo fora do Restelo, os adeptos do Belenenses responderam à chamada e compareceram. O que deixa adivinhar que, se os resultados aparecerem, os números podem aumentar significativamente. Sem constrangimentos, sem pressões, sem aquele clima divisionista que se instalou no Restelo e que já ninguém aguenta.

E por falar em divisionismos a Direcção do Clube não desiste de envenenar o ambiente. Em vez de reflectir e recuar, continua a cavalgar assembleias cada vez menos representativas e onde se tomam decisões cada vez mais delirantes! Estavam 142 sócios! Uma assembleia que coincidiu com a hora do jogo, atitude no mínimo inqualificável! 

E volto a referir uma realidade que se adivinhava há muito tempo, e que hoje se confirma plenamente: - o outrora Clube de Futebol 'Os Belenenses' foi capturado por um conjunto de pessoas que já nada têm a ver com o futebol mas têm muito a ver com o Restelo. A venda do futebol não foi um capítulo isolado mas uma etapa de um processo. Afirmam-se sócios do Belenenses mas na realidade são 'sócios do Restelo'. Contentam-se com uma equipa residual de futebol amador desde que continuem a utilizar o Restelo a seu belo prazer. E justificam-se com um bode expiatório que hoje é a Codecity mas amanhã seria um milionário russo que os incomodasse. A decadência do Belenenses está cheia disto.

Saudações azuis

sábado, julho 28, 2018

O Belenenses joga no Jamor

Hoje há Taça da Liga no estádio nacional, casa alugada pelo Belenenses para esta época, sendo que neste primeiro jogo defronta a Oliveirense. É de esperar que os sócios e adeptos do Belenenses compareçam a apoiar a equipa, que é a mesma que apoiámos o ano passado e desde sempre. Portanto, todos ao Jamor!

Saudações azuis

terça-feira, julho 24, 2018

As torres de Belém e o resto...


Já é tempo de falar de futebol, da nova época, das aquisições, deixando de lado o futebol das assembleias, dos conflitos processuais, essa nova modalidade lusitana que promete trocar o relvado pelas salas de audiência! 

Sobre o futebol jogado o que sabemos é que as equipas se constroem de trás para a frente e o Belenenses dos seus tempos áureos foi um bom exemplo disso. Quem não ouviu falar no Tárrio que secou o Peyroteo ou nas torres de Belém que defendiam a entrada do Tejo! Hoje o futebol ainda é mais exigente e as grandes equipas têm uma retaguarda quase intransponível. Assim estão sempre a tempo de ganhar sem andarem (sempre) atrás do prejuízo. Analisemos então aquilo que temos e também aquilo que nos falta:

A baliza está bem entregue a Muriel e a contratação de Mika pareceu-me acertada. Quanto ao centro da defesa temos que reconhecer que há muito que não temos um 'patrão' indiscutível. É um lugar que requer muita maturidade e hoje em dia não há tempo para fazer crescer um grande jogador nessa posição. Não há tempo aqui em Portugal onde mal um jogador dá nas vistas é logo vendido para o exterior. Assim vamo-nos contentando com segundas linhas e já não é mau.

O que não tem muita lógica é obter por empréstimo um jovem jogador para essa posição. Que no caso de ser Domingos Duarte virá com a 'obrigação' de ser titular. Nada contra o jogador (com o qual simpatizo) mas tenho de pensar nos interesses do meu clube. E não é do interesse do Belenenses andar a valorizar jogadores que não são nossos. É preferível um veterano em fim de carreira. Perde na velocidade mas ganha na experiência. E mantemos a dignidade.

O resto... é mais um episódio do conflito entre o Clube e a SAD com o tribunal a dar (novamente) razão à SAD confirmando-se aquilo que vimos dizendo: - esta Direcção esgotou o seu capital de esperança num entendimento com a SAD e sendo assim deve retirar daí as respectivas consequências. Insistir na conflitualidade não é solução.

E termino com uma boa notícia! Pelo menos para mim é uma boa notícia quando alguém com a responsabilidade editorial de João Miguel Tavares (Jornal Público) vem hoje escandalizar-se com as ligações perigosas entre os deputados e os três clubes ditos grandes. Isto a propósito dos almoços do Sporting e do Porto ou dos jantares do Benfica com os representantes da nação! Uma vergonha que só acontece na república portuguesa dos bananas. Mas nada melhor que transcrever a síntese de João Miguel Tavares: - “ É preciso não ter nada na cabeça para achar que em 2018 o Parlamento é o lugar certo para promover núcleos futebolísticos e ouvir candidatos de clubes em campanha eleitoral”.

Sem comentários.


Saudações azuis