segunda-feira, julho 17, 2017

O funil e as irritações!

Já foi tempo em que me irritava com o funil mediático, ontem por exemplo o Sporting -Basileia foi retransmitido até à náusea, e do Belenenses (ou do Guimarães) nem uma simples notícia a dizer o resultado do torneio da Póvoa de Varzim! Foi para isto que abriram o espaço radio eléctrico aos privados?! E os dois canais públicos servem para quê?! Para dar as modalidades do Benfica e do Sporting?! Adiante, como disse, não vale a pena irritar-me. Mas vejamos o Belenenses perdeu, foi goleado pela equipa B do Vitória de Guimarães e isso sim preocupa-me. Eu sei que é jogo treino mas o Belenenses deve muitas vitórias a si próprio, não pode facilitar. Não vi o jogo, mas tenho cá as minhas desconfianças, e com aquele onze inicial, praticamente o onze do ano passado, o adversário conta menos que as próprias fragilidades. 

Mudo de linha e de assunto e chego à decisão do Conselho de Justiça que ilibou Pinto da Costa e o FC Porto no chamado apito dourado ou final. E tenho a dizer o seguinte: 
O Benfica protesta e ameaça recorrer para o Tribunal Arbitral do Desporto mas não me parece que o vá fazer. O apito dourado foi uma operação montada em Lisboa para atacar o Porto e sendo assim pode sempre virar-se contra os seus autores. O Benfica está mais preocupado com o conteúdo dos emails que a serem verídicos configuram uma situação muito mais grave. É aqui que entronca esta estranha decisão federativa! Estranha sobretudo pelo timing o que me leva a suspeitar que traz a água no bico. No sentido de ser um acto preparatório para arquivar o caso dos emails  e com base no mesmo argumento da prova obtida de forma ilícita. É só um palpite.


Saudações azuis

domingo, julho 16, 2017

Bolas paradas...!

Isto está bonito! Procuro saber o resultado do jogo de preparação entre o Belenenses e o Varzim, e não está fácil. Na televisão com cinco ou seis canais a bombar ininterruptamente Benfica, Sporting e Porto, é práticamente impossível saber alguma coisa de futebol, nem em rodapé! Ligo o computador e procuro na CANotícias espaço que frequento diáriamente e que vai dando as novidades azuis. Descubro então que ganhámos por duas bolas a zero. Fico contente mas o título da notícia - "Bolas paradas derrotam Varzim" - pareceu-me desvalorizar a vitória. Soou-me a desempate por grandes penalidades! Li o corpo da notícia e não era nada disso, ganhámos e com dois golos normalíssimos obtidos no decorrer da partida. Mas pergunto: - qual foi então a ideia daquele insólito título?! E estou a ser sincero a ideia que fica é que o articulista não gosta da SAD e por isso desvaloriza os êxitos da equipa de futebol do Clube. O que eu também não acredito. Vou pensar que foi apenas um título menos conseguido.


Saudações azuis

quinta-feira, julho 13, 2017

Confirmações e observações!

Contra um Braga na máxima força o Belenenses deu ontem uma boa resposta e ganhou o troféu em disputa batendo o seu adversário por duas bolas a uma.
Gostei mais da primeira parte que da segunda, primeira parte onde tivemos períodos de domínio e poucas veleidades consentimos aos bracarenses. A diferença esteve no meio campo onde Tandjigora se mostra indiscutível, pelo equilíbrio e alta rotação que transmite à equipa. Persson e Sousa completavam o trio do meio campo e nas alas, muito interventivos, outras duas confirmações – Chaby autor de um bonito golo e muito voluntarismo a actuar pela direita, e Benny mais sóbrio a actuar pela esquerda. Tiago Caeiro foi o avançado centro e não destoou. Cá atrás Filipe Mendes era o guarda-redes e não comprometeu, e a dupla de centrais, Sasso e Gonçalo Silva, deu conta do recado. Nas laterais, João Diogo e Florent também cumpriram sendo que Florent esteve no cruzamento que deu o bonito golo de Chaby.

Não tenho dúvidas que esta deve ser a equipa base dando entrada a Muriel para a baliza e a Pereirinha consoante a forma em que estiver. Sem excluir evidentemente algum craque indiscutível (defesa central ou ponta de lança) que esteja a caminho. Jesus Hernandez entrou entretanto para o lugar de Caeiro mas ainda está em fase de adaptação.

Na segunda parte perdemos o meio-campo rápidamente e Domingos fez entrar de novo Tandjigora para reposicionar a equipa e evitar males maiores. Tandjigora, Yebda e Juanto, eram agora o meio campo visível. Sasso continuava no centro da defesa e fazia dupla com Persson. Nas laterais, Gonçalo Tavares ocupava a direita e Femi Balogun jogava a defesa esquerdo. Miguel Rosa foi jogar na ala esquerda e Diogo Viana na ala direita. Equilibrada a equipa passámos a jogar em contra ataque através de saídas muito rápidas que confundiam a equipa bracarense, na altura, instalada no nosso meio campo. Numa dessa saídas e já com Maurides em campo, que havia substituído Hernandez, Yebda ensaia uma grande jogada que culmina num centro à medida do pé esquerdo de Maurides. Estava feito o segundo golo. O Braga reforçou a pressão sobre a nossa defensiva e nós fomos acalmando o jogo. O golo de honra dos bracarenses surge já perto do fim num lance de bola parada.

Confirmações também houve algumas: - Sasso jogou os noventa minutos e cumpriu plenamente a sua tarefa e Yebda esteve desta vez muito bem, mais rápido a libertar-se da bola e confiante nos movimentos ofensivos. A jogar assim é alternativa para o meio campo azul. Femi Balogun também confirmou velocidade e repentismo, jogue onde jogar! Maurides é sempre candidato ao lugar de ponta de lança. Diogo Viana idem no que respeita às alas. Miguel Rosa também. Os restantes mantêm-se em observação.

Enfim, gostei!


Saudações azuis


Nota sobre emprestados: O Belenenses não deve ter jogadores emprestados pela concorrência. E pode ter jogadores emprestados de todos os clubes não concorrentes. Dos três eucaliptos só em casos excepcionais, com opção de compra e sem obrigatoriedade de os pôr a jogar. O que equivale a dizer que assim não vêm. Valorizar o que não é nosso nem vai ser nosso é uma ideia peregrina ou então uma confissão de incapacidade para investir de forma séria e consistente. Por isso gostei da recusa de Domingos Paciência no que se refere a emprestados. Fala-se no regresso de Domingos Duarte e eu não vejo o que lucramos com isso. Se não tem lugar no Sporting (na quadra de centrais!) vem para o Belenenses fazer o quê?! Era preferível fazer um esforço pelo Diniz Almeida que é do Mónaco e assim pode jogar sempre. Não tenho nada contra o Domingos Duarte, antes pelo contrário, mas o seu regresso nas mesmas condições do ano passado, não interessa ao Belenenses.E eu pergunto então não há por aí um central sul americano em fim de carreira e que queira jogar mais duas ou três épocas na Europa?! 

terça-feira, julho 11, 2017

Equipa em construção!

Com grande assertividade, a equipa do Belenenses vai ganhando forma e ao que tudo indica substância. A opinião não é só minha pois tenho lido e ouvido insuspeitos elogios de insuspeitas fontes. E começo pelas carências que detectei e que foram entretanto supridas. Se não todas, quase todas:

No ataque a chegada de um jovem e credenciado avançado (Jesus Hernandez) vem colmatar alguma impotência que parecia existir por ali. E ficamos assim com quatro jogadores de área: - Maurides, Jesus Hernandez, Tiago Caeiro e Juanto.
 
Nas alas para além de Diogo Viana, Femi Balogun e Miguel Rosa (que não é um ala) parece faltar alguém. Embora existam compensações no plantel. Pereirinha e João Diogo são defesas/extremos (direitos) de raiz. E sendo assim também resolvem a questão da lateral direita.

Na lateral esquerda, outra falha aqui observada, a notícia de que Mica Pinto seguiu para estágio é uma boa notícia. Penso que merece a oportunidade que não teve na época passada. Veio lesionado mas debelada a lesão no pouco tempo que jogou, cumpriu. Florent e Mica resolvem a questão da lateral esquerda.

A zona intermédia tem gente para jogarmos em algumas variantes desde o 4-4-2 ao 4-3-3. E se fiz bem as contas temos: - Persson, Merlin Tandjigora, Yebda, André Sousa, Benny e Chabby. A que adicionaremos o lesionado Freddy. Que pode jogar na ala mas deve evoluir para oito/dez. Como agora se diz.

E finalmente resolvida a questão dos guarda-redes com a chegada de Muriel, falta resolver outra questão muito importante que é o centro da defesa. A dupla de centrais. E aqui falta claramente uma referência, um jogador feito e acima de qualquer suspeita. Pese o valor e generosidade de Gonçalo Silva e a recente aquisição de Sasso. Na espinha dorsal não pode haver fragilidades nem experiências.



Saudações azuis 


Nota básica: Quando falo de espinha dorsal refiro-me ao guarda redes, ao defesa central que comanda a defesa, ao médio armador de jogo e ao goleador. 

sábado, julho 08, 2017

A bola a rolar…

Vi finalmente a bola a rolar e gostei do que vi. Um ensaio é sempre um ensaio e o adversário era categorizado pois tem jogadores que não enganam, mas o Belenenses também mostrou que está a construir uma equipa mais consistente que o ano passado. E tinha mesmo que ser. Directo ao assunto: -

Gostei do guarda-redes Muriel, um keeper experiente e que resolve o problema da nossa baliza. Gostei muito do médio Tandjigora, rápido, intenso, com sentido colectivo, titular indiscutível. As outras estreias, Balogun tem velocidade, um predicado essencial, precisa de oportunidades para evoluir; Sasso, que já conhecia, é bom jogador embora às vezes escorregue… Chaby prometeu alguma coisa.

Dos residentes, Benny confirmou aquilo que sempre vaticinei – é um jogador com futuro! Joga e faz jogar e o Belenenses precisa de gente que saiba fazer as transições, de gente que pense o jogo. Os restantes trabalharam para a equipa e pode dizer-se que não desiludiram.

Não há bela sem senão e não fui só eu a reparar, toda a gente viu que Yebda (que jogou os noventa minutos) tem perdas de bola que não podem acontecer naquela posição. Como já afirmei na época transacta não tem a ver com a técnica, que de facto possui, tem a ver com a cabeça, com a rapidez do raciocínio, com as decisões que toma e com a lentidão com que as toma.
Uma palavra ainda de incentivo para os jogadores que vieram da formação e que terão de crescer com a equipa.

O que ainda falta:

Para além do que se viu e do que pode prometer, a equipa pareceu-me algo impotente nos aspectos ofensivos. Pelas alas poucas vezes nos acercámos com perigo da baliza leonina, e daí a relativa obscuridade de Maurides. Tiago Caeiro entrou melhor mas teve a seu favor um meio campo (Benny e Chaby) mais criativo. Resumindo, falta qualquer coisa no ataque.

Na defesa, as laterais estão tremidas. No lado direito faltou João Diogo e as soluções encontradas precisam de novos testes. Na lateral esquerda para além de Florent fica a pergunta sobre Mica Pinto! Que é feito dele?!
O centro da defesa está em reconstrução e vamos aguardar por mais jogos.

Concluindo – primeiro balanço positivo.


Estádio do Algarve: Sporting 1 (Ruiz) - Belenenses 1 (A. Sousa) 


Saudações azuis

quinta-feira, julho 06, 2017

Rectificação e esclarecimentos!

Em postal com o título – pregar no deserto – associei o presidente do Clube de Futebol ‘Os Belenenses’ a um jantar de ‘deputados do Benfica’. A referida reportagem televisiva misturava-se com outra, de outro evento, julgo que no mesmo dia, e que terá tido lugar na sede benfiquista nas portas de Santo Antão (perto do Coliseu). Daí a confusão que fiz e da qual peço desculpa. Mas costuma dizer-se – ‘quem não quer ser lobo não lhe veste a pele’ – e isto de encontros públicos patrocinados pelo presidente do Benfica, numa altura destas, não me parece que seja bom para o Belenenses. Até porque já passou muito tempo sobre a divulgação dos primeiros emails e ainda nenhum responsável do Benfica (incluindo o presidente) negou a veracidade dos respectivos conteúdos. Que é o que nos interessa em termos de verdade desportiva.

E já que aqui estamos aproveito para dar mais uma palavrinha sobre a venda do passe do Edgar Ié. Confirma-se que foi um excelente negócio e mostra que só assim poderemos libertar-nos da teia que está armada no futebol português. Precisamos de adquirir jogadores que se possam valorizar* mas sem nunca descurar os interesses classificativos da equipa principal. Uma mistura do velho com o novo é o ideal. Jogadores emprestados pelos três clubes do sistema são de evitar embora seja evidente que enquanto a norma dos emprestados não mudar**, o Belenenses não pode ficar isolado. Neste caso penso que a SAD tem vindo a perceber que o Belenenses tem de procurar outros rumos e outros empréstimos.


Saudações azuis


*Estava a pensar em Diniz Almeida um central com grande margem de progressão e cuja compra talvez valesse a pena. Se o Mónaco vender barato.


**A lei dos emprestados é outra que terá que mudar porque interfere decisivamente com a verdade desportiva. Entre competidores não pode haver emprestados, essa deveria ser a regra. É claro que em Portugal qualquer norma é imediatamente contornada e a justiça desportiva fica a assobiar para o lado! É incapaz de corrigir os prevaricadores, que aliás são sempre os mesmos. Veja-se o que já se está a passar com a compra de partes dos passes de jogadores do Estoril em mais uma operação satélite em curso! E depois veremos se jogam ou não jogam contra o Benfica?! A continuarmos assim o melhor é fazer um campeonato só com três clubes, porque o resto são clubes a fingir. E servem para quê?! Respostas para o apartado da Procuradoria Geral da República.

quarta-feira, julho 05, 2017

A posse e as armas da grandeza!

Tomou posse a direcção do Belenenses e Patrick Moraes de Carvalho aproveitou para relembrar os grandes objectivos deste mandato:

a)    Recuperar a SAD reunificando de novo o Belenenses;
b)    Requalificar o estádio do Restelo;
c)     Aprofundar o ecletismo no Clube;

Vou ignorar a terceira vertente na esperança de que o governo da república ponha mão nisto proibindo os clubes de futebol profissional de capturarem as modalidades e assim impedirem que elas se desenvolvam como acontece na grande maioria dos países civilizados. E que por isso chegam às medalhas nos jogos olímpicos.

Sobre o segundo objectivo já me pronunciei várias vezes e é a velha história da carroça à frente dos bois. Enquanto estivermos à espera de ser ricos (chamam-lhe sustentabilidade!) para sermos campeões, não vamos ser ricos nem campeões.

E vamos ao único objectivo que subscrevo inteiramente muito embora saiba que corremos o risco de repetir a incompetência e o servilismo que nos atiraram para a actual situação. Portanto isto não pode ser um cheque em branco. É preciso dar conteúdo ao projecto.

Ora bem, as armas da grandeza não estão do nosso lado e sem elas de pouco vale recuperar a SAD. A centralização dos direitos televisivos é a arma principal (não são as rendas nem as obras no Restelo) e isso tem que fazer parte do discurso do presidente do Belenenses desde já. Não pode ficar à espera das decisões judiciais sobre a SAD. Eu sei que isso pode acarretar incómodos e ferir as susceptibilidades de todos aqueles que defendem o actual sistema em que três clubes ganham quase tudo e os outros não ganham quase nada. Mas essa é mais uma razão para o presidente do Belenenses não se calar. Até que a voz lhe doa.

A outra arma já Patrick Moraes de Carvalho falou dela e tem a ver com o número de jogadores que cada clube pode ter na sua esfera patrimonial. O que acontece no futebol português é neste capítulo obsceno!  

Se for por este caminho o presidente do Clube de Futebol ‘Os Belenenses’ alcançará naturalmente o respeito e o apoio de sócios e adeptos. Penso até que a almejada unidade passa mais por aqui que pelas decisões judiciais que se aguardam.

Saudações azuis



Nota: Nem de propósito leio que o Benfica quer ter uma participação num clube da primeira Liga inglesa e uma das explicações tem a ver com os elevados direitos televisivos que os clubes ingleses recebem nomeadamente desde que esses direitos são negociados pela respectiva Liga. E eu penso – é preciso ter descaramento! Cá não querem dividir nada com ninguém e ainda querem ir dar uma bicada lá fora! E não há um comentário a censurar o facto! Que gente! Que país de …..!

segunda-feira, julho 03, 2017

Marcas de grandeza!

Esta era uma boa altura para o Belenenses mostrar a sua grandeza, para se distinguir dos outros emblemas, calados que nem ratos, à espera de saberem para que lado pende o poder no futebol! Só se fala de Benfica, Sporting e Porto, e toda a gente aceita esta situação com grande naturalidade. Mas isto é inaceitável e diz muito sobre o estado de subserviência em que vegetam a maioria dos clubes portugueses. Nesta altura, é a minha opinião, já deveria ter saído uma nota assinada pelo presidente do Clube de Futebol ‘Os Belenenses’ a manifestar desagrado pelo clima de suspeição que se instalou no futebol português, chamando ainda a atenção para o estranho silêncio quer da Federação quer da Liga! Bastava isto para colocar o Belenenses no seu antigo patamar de grandeza.

E passemos ao futebol própriamente dito para me congratular pela capacidade revelada pela SAD para fazer um negócio, que a ser verdade, e pelos números já conhecidos, mostra o caminho que temos que percorrer. Desta vez vendemos, vendemos bem, e não vendemos aos nossos rivais. Uma marca de grandeza.

E chegamos finalmente ao relvado, à equipa que está a ser construída pelo Domingos e sobre a qual gostaria de dar uma opinião, assim estivesse na posse de alguns dados concretos. Mas não estou e a única informação que possuo é aquela que é veiculada pelos jornais e isso é curto e perigoso. Comentários de associados azuis poderiam ajudar-me não fora o clima de guerra civil em que vivemos. Neste clima o melhor é não ler comentários nenhuns. Resta-me, como digo sempre, confiar no treinador e na lógica! Domingos com o curriculum que tem não aceitaria estar á frente de um projecto perdedor.


Saudações azuis