terça-feira, junho 27, 2017

Nome de código: Uma estratégia à Belém!

Tal como as coisas estão, por fora e por dentro do clube, convinha alinhar uma estratégia que evitasse a contaminação com o lamaçal onde o futebol português sempre viveu e vive, e aproveitasse a maré para nos colocar de novo na rota da grandeza entretanto perdida. Isto são frases mas têm tradução prática. E vou já pegar o toiro pelos cornos.

(Primeira parte – o que não se deve fazer)

É absolutamente desnecessário e prejudicial à imagem do Belenenses que um antigo presidente do clube ande em almoçaradas com o presidente do Benfica no preciso momento em que pendem sobre o emblema encarnado fortes suspeitas de viciar a integridade das competições. Competições em que o Belenenses também participa. Eu sei que os almoços são entre amigos e também sei que quem não deve não teme. Mas quem foi presidente do Belenenses deve saber que a distinção entre vida pública e privada não existe e assim se querem almoçar juntos, almocem em casa uns dos outros, e não em público. Aliás, o presidente do Benfica deveria ser o primeiro, em nome da amizade, a marcar esses almoços para data mais oportuna.

Na mesma linha de pensamento eu fui dos poucos, senão o único, que critiquei na altura as visitas do presidente da SAD à prisão de Évora numa situação, em termos de amizade, muito mais delicada na medida em que Sócrates estava preso. Ainda assim mantenho a mesma posição: - quem quiser ser presidente da SAD do Belenenses já sabe, ou tem que saber, que todos os seus actos, se tornados públicos, afectam a imagem do Belenenses. Neste caso negativamente.

E dentro da mesma ordem de ideias volto a um assunto que me incomoda e deveria incomodar toda a gente. Refiro-me a uma notícia publicada ontem no jornal A Bola onde se podia ler que o 'tradicional almoço do presidente Vieira com os deputados do Benfica vai realizar-se esta quinta-feira', se não me enganei na data!

Este é o tipo de promiscuidade entre o futebol e a política que o futebol e a política dispensam, quanto mais não seja por questões de higiene. E quando é aceite como prática normal desvirtua a sociedade onde tal se verifica. Para encurtar razões até porque isto só se deve passar em Portugal eu proponho uma mudança na lei eleitoral que obrigue os candidatos a deputados a anunciarem qual o seu clube de eleição para que eleitores como eu nunca votem em futuros deputados benfiquistas.

A segunda e terceira partes da estratégia – o que se deve fazer - ficam para a próxima.



Saudações azuis


Nota importante: A estratégia sobre o que se deve fazer terá que ter em conta um cenário que começa a desenhar-se: - o Benfica, completamente encurralado nos emails, já está a pedir ajuda ao Proença para tentar negociar uma saída airosa. O Belenenses e os outros clubes não podem continuar calados e a ver navios. A centralização dos direitos televisivos e a sua justa distribuição, assim como a limitação do número de jogadores inscritos por cada clube devem obrigatoriamente fazer parte de uma agenda para limpeza do nosso futebol.

segunda-feira, junho 26, 2017

Félix Mourinho!

Há jogadores que ficam agarrados à história dos clubes numa misteriosa ligação entre o sangue e a terra que hoje pouco diz ao comum dos mortais. Félix Mourinho era da raça antiga, aquela que não esquece as origens e sabe transmitir a herança. Desde Ferragudo a Setúbal e depois a defender as balizas do Clube da Cruz de Cristo respirou sempre esse ar marítimo que vinca uma identidade. Ao filho, ‘que nasceu em Setúbal e cresceu em Belém’ apresentamos sentidas condolências. 

sábado, junho 24, 2017

Afinal quem é o padrinho?!

Isto resvalou definitivamente para o romance siciliano e a partir de agora a imaginação não tem limites! Ontem um dos intervenientes num daqueles programas que só se podem ver com amor ou ódio sugeria o seguinte: - imaginem que um árbitro antes de um jogo qualquer recebia no telemóvel uma imagem da amante com o aviso: – porta-te bem porque senão a tua mulher vai ficar a saber que tem concorrência! Não foi bem assim, mas para o que interessa serve. Portanto não são só os jogos em que o Benfica participou que podem estar em causa, são também os dos seus adversários directos, ou seja, são todos! Tarefa impossível de realizar ainda por cima num país que não tem vontade nenhuma de saber a verdade.
O que a gente quer é filmes.

Regressemos então ao padrinho, personagem que Marlon Brando imortalizou no cinema, e cujos próximos episódios prometem ser realizados em Portugal! Vamos imaginar um trailer só para adultos:

A certa altura o ‘bibi’ é demitido e já sem a protecção do clube da Luz é preso e condenado ao silêncio o que para ele deve ser uma pena pesadíssima. Ao mesmo tempo seguem para prisão domiciliária e impedidos de verem a BTV meia dúzia de pobres diabos vermelhos apanhados com a boca na botija. E o assunto fica sanado em termos de justiça desportiva.

Quanto à outra justiça, a siciliana, a câmara fixa-se num restaurante à beira Sado onde o ‘conselho dos anciãos’, de roda de uns salmonetes, trama a liquidação do enfant terrible de Alvalade. Não obedece a ninguém, não tem maneiras, dá beijos na boca da namorada e também quer comer salmonetes! Era o que faltava!

O trailer termina com imagens do grego Samaris a despedir-se do clube da Luz e sem ter cumprido qualquer pena.


Saudações desportivas

quinta-feira, junho 22, 2017

Assim…

Assim, pelo silêncio que se vai notando, até parece que não se passa nada nas entranhas do futebol lusitano! Mas passa-se e as competições estão ameaçadas. Temos o silêncio dos árbitros e temos o silêncio das respectivas organizações! Temos a palavra de ordem mais repetida em Portugal – ‘esperemos que a justiça investigue tudo’ quando esperamos exactamente o contrário! Temos o silêncio absoluto da Liga e o silêncio relativo da Federação que aposta tudo no vídeo árbitro como se ele trabalhasse sozinho, fosse independente e não recebesse emails! Dá vontade de rir mas não me admira que muita gente acredite nisto!

É este o momento em que estamos, enquanto mais uma série de documentos comprometedores vai vendo a luz dia! Nesta fase tem sido curioso verificar que há muita gente próxima de Sócrates que surge na primeira linha de defesa do indefensável! Por exemplo, o actual responsável pela comunicação do Benfica foi o assessor de imprensa de Sócrates quando este era primeiro-ministro! Estranho, não acham?! E lá regressamos nós à cadeia de Évora e às antigas suspeições. O certo é que não há novelo que se puxe e que não venha agarrado a ele o inefável engenheiro e as suas engenhocas!

Mas vamos admitir que conseguimos ultrapassar tudo isto, que Marcelo chama os clubes a Belém e lhes implora que em nome da selecção, das exportações, e do défice, devem jogar, ser amigos, e fazer de conta que está tudo bem! E sem moedas de troca! Eu vou acreditar nisto porque é a única maneira de continuar a acreditar na Branca de Neve e nos sete anões!



Saudações azuis

sexta-feira, junho 16, 2017

Avisos à navegação!

Não vou falar do passado porque do passado quero esquecer-me, vou falar-vos do presente e da postura que deveremos assumir no conturbado momento que atravessa o futebol português. Não vamos fazer de mortos, nem de maria-vai-com-as-outras, porque os nossos interesses são os nossos e não os dos outros.
Trava-se neste momento uma luta de galos que tem no seu epicentro o controle da arbitragem e esta luta vai provocar cisões e realinhamentos entre os vários clubes envolvidos. Aliás já está a provocar. Nesta guerra, que não é nova, os chamados clubes pequenos são eternos perdedores, e por isso há muito que advogo um bloco de interesses onde os quinze se sintam representados. Os quinze mais os da segunda Liga. Essa ideia nunca andou para a frente porque Portugal é ainda uma terra de senhores e de escravos. Mas eu não quero ser escravo nem acólito de nenhum dos três eucaliptos e também não quero que o Belenenses seja. A piorar a situação temos o clube dividido e assim impossibilitado de ter uma política clara e única. Mas eu passo por cima disso até porque o conteúdo dos avisos é o mesmo como tem que ser a mesma a defesa dos superiores interesses do Belenenses.
  
Assim e considerando que o Belenenses subscreveu e cumpre os regulamentos da Liga e exige que os outros clubes também os cumpram, o primeiro aviso é o seguinte: Nada de empréstimos de jogadores (ou outras facilidades) que comprometam o voto do Belenenses nas várias assembleias onde tem assento. E se houver alguma situação do passado que de qualquer modo diminua o grau de independência dos representantes azuis nessas instâncias, essa limitação deve ser sanada de imediato para que não assistamos a cenas de subserviência que nos envergonhem. Os tempos que se adivinham exigem espinha direita e defesa intransigente do Clube de Futebol ‘Os Belenenses’.


Saudações azuis

quarta-feira, junho 14, 2017

Arroz de polvo e papo de anjo!

No Porto Canal cozinhava-se ontem um arroz de polvo que estava uma delícia! Era só um dos tentáculos mas aquilo chegava para um batalhão. Enquanto comíamos conversávamos e a conclusão era sempre a mesma: – a carreira dos árbitros, dos filhos dos árbitros, dos que querem ser árbitros, observadores incluídos, está entregue a um departamento de recursos humanos que passa invariávelmente pela sigla ‘SLB’! Isto a fazer fé nos documentos revelados.

O comandante daquela geringonça, segundo rezam os tais documentos é alguém designado por ‘primeiro ministro’! E uma vez que a data da correspondência agora revelada se situa nos idos de 2013/2014, ficamos na dúvida! Mas do que não temos dúvidas é que a integridade dos campeonatos está posta em causa por muito que isso custe ao nacional benfiquismo vigente. Nacional benfiquismo que se reflecte no silêncio da comunicação social, que atira o assunto para as páginas interiores, a ver se ninguém dá por ele! Se não fosse o Benfica se fosse outro clube a ser acusado de controlar a arbitragem imagino as primeiras páginas e as aberturas dos telejornais o que não seriam! Mas aguardemos então o que os responsáveis, desportivos, judiciais e governamentais vão fazer. Se calhar também gostam de polvo!

E depois do arroz passemos à sobremesa. Outra delícia lusitana! Ronaldo, nosso herói e nosso deus, foi acusado de burlar o fisco espanhol pesando sobre ele a pena que a lei estabelece para estes casos. A lei espanhola porque a lei portuguesa como sabemos em se tratando de gente importante, ex-primeiros ministros, por exemplo, vê-se aflita para condenar seja o que for. Em princípio pessoas desse quilate estão inocentes. E no fim também. 

Neste quadro mental, o país reagiu imediatamente, condenando o fisco espanhol por acusar e tentar condenar o jogador português. Falta apenas o bispo e o presidente da república intercederem pelo Ronaldo em nome da nossa proverbial inocência! Até porque o rapaz é pobrezinho e talvez não tenha meios para pagar a coima.
Pois bem, esta sobremesa que nos fala de inocência chama-se papo de anjo! Leva doce de ovos por dentro.



Saudações azuis 

segunda-feira, junho 12, 2017

As últimas…

UEFA factor de desigualdade entre clubes! Foi nestes termos que o presidente da Liga espanhola se referiu aos dinheiros que a UEFA pretende distribuir pelos grandes clubes europeus. Trata-se de uma nova redistribuição que vai agravar ainda mais o fosso entre meia dúzia de emblemas que todos sabemos quais são e os outros eventuais participantes na Champions. E a propósito dos efeitos reflexos que essa distribuição pode vir a ter nas Ligas nacionais dava como exemplo a Liga portuguesa. Com números concretos, onde o cenário entre os orçamentos de Benfica e Porto, clientes habituais da Champions, seria a diferença que vai de 140 milhões de euros para os 12 milhões que o quarto classificado da nossa Liga pode eventualmente auferir!

Enfim, eu nem precisava de ler isto, tantas foram as vezes que acusei a UEFA de ser um factor de desigualdade e não de convergência. Aliás a UEFA segue a cartilha da União Europeia que tem feito o mesmo em relação aos países que a compõem. Ela sempre dirá que não é a ela mas sim aos órgãos nacionais que compete redistribuir, corrigindo, essas desigualdades! E eu rio-me e fico a pensar na nossa Federação e na Liga que mais parecem órgãos da UEFA do que órgãos nacionais. Pois se nem conseguem centralizar e distribuir mais equitativamente os dinheiros da televisão!

Os árbitros e o Benfica! Isto está a fazer mossa na nação encarnada e já não vai lá com aspirinas nem ameaças de processos a toda a gente! A partir de agora a inocência acabou, já não podem atirar pedras aos outros, que os telhados da Luz são de cristal. Claro que será difícil condenar alguém em Portugal por corrupção, vejam-se as dificuldades do processo Marquez, e no futebol ainda é pior, porque a clubite impera acima de tudo. No entanto atrevo-me a dizer que nada será como dantes. E percebe-se agora a pressa no vídeo árbitro, e noutras questões que estavam em pousio. Da justiça do futebol nem vale a pena falar. Samaris ainda não cumpriu castigo, o soco está em recurso, e desconfio que há-de ir-se embora do Benfica impune.

Uma dúvida ainda sobre este assunto da corrupção: - será que o primeiro-ministro e o presidente da república se sentem confortáveis quando temos um campeonato sob suspeita?! E o povo?! Gosta de jogar à batota?!

O Belenenses e o mercado de transferências! Tenho lido por alto algumas notícias de entradas e saídas e a ideia com que fico é que vamos apostar na prata da casa. Naquela que cá estava e naquela que regressa. Mas como digo, estou por fora. A única coisa que me sossega é o facto de Domingos Paciência ter um nome a defender e por isso não vai embarcar em nenhuma aventura suicidária. Chabby parece-me um jovem promissor; o regressado Freddy espero que esteja mais maduro e que não o ponham a jogar nas alas; Rúben Pinto tem lugar no Belenenses; Roberto era um nome interessante para avançado centro mas não é oficial; Oulu não conheço. Mas ainda falta resolver posições chave. O guarda-redes, por exemplo.


Saudações azuis

quinta-feira, junho 08, 2017

Ainda querem que eu fale de bola?!

Não vale a pena. Em Portugal só os distraídos é que falam de bola como se ela fosse redonda! Mas não é. Nunca foi mas nunca chegou a este exagero. Nunca foi tão bicuda. Ela faz parte integrante da corrupção, é lavandaria da república, propaganda do regime e ópio que entontece o povo?! Nestas condições uma bola redonda não entra na baliza.
Por isso as mais recentes suspeitas sobre um conluio de árbitros para favorecerem o Benfica não surpreendem ninguém. Há muito que este cenário era esperado, pois não era possível termos o país mergulhado na mais sinistra corrupção e o futebol escapar ileso e sem lesionados! Seria mais um milagre mas não vai ser. Esta transferência do poder do futebol para a decantada ‘estrutura’ do Benfica começou a ser desenhada no consulado de Sócrates e foi feita com tal manha, e com tanta perícia, que os próprios lesados ainda foram a Évora para lhe agradecer! Um enigma que os portistas deverão um dia esclarecer com o seu presidente. Mas isso é um problema deles. O nosso problema, o meu problema, e quero pensar, o problema do Belenenses, é competir num país onde a batota está institucionalizada, onde os pequenos clubes estão proibidos de crescer e onde os batoteiros têm o peito cheio de medalhas! O nosso problema é este e vai ser este enquanto não houver a coragem de dizer basta. Mas para dizer este ‘basta’ só podemos contar connosco. Liga, Federação, Governo, Presidente da República e Tribunais, esqueçam. Comunicação social, pior ainda.
Já perceberam porque é que não me apetece falar de futebol?!



Saudações azuis 

quarta-feira, junho 07, 2017

Tem que haver um limite de jogadores!

Seja  a Liga, seja a Federação, e sendo estas incapazes, como tudo leva a crer que são, terá de ser o governo a impor um limite ao número de jogadores que cada clube pode inscrever na sua esfera patrimonial. Não sendo assim a integridade da competição está posta em causa, a verdade desportiva é uma miragem, e o campeonato uma ficção e uma batota. Aliás basta ler os jornais, o que está a  acontecer é um verdadeiro escândalo! Todos os dias os chamados três grandes do futebol nacional Benfica, Porto e Sporting, compram jogadores, naturalmente os mais promissores, para depois os emprestarem a quem entendem, e dentro da mesma competição! Os outros clubes é como se não existissem!
 
É verdade que recentemente mas para resolver outro problema que os empréstimos na mesma competição provocavam, a Liga impôs aos clubes um limite máximo de três jogadores emprestados da mesma origem. Jogadores esses que não podem jogar contra o clube que os emprestou. Foi uma medida positiva porque clarificou a situação mas na verdade destinou-se a proteger os grandes clubes. O que parece uma sina deste país socialista: - proteger os mais fortes e enfraquecer os mais fracos!

Mas voltando à lei, logo na altura se viu que o limite era excessivamente generoso para os grandes clubes e basta fazer as contas: se cada um dos três clubes mencionados emprestar três jogadores a cada um dos quinze clubes sobrantes, isso significa que teremos mais quarenta e cinco jogadores vinculados a cada um dos grandes e um total de cento e trinta e cinco jogadores a actuar na primeira Liga! E porque são dos melhores, jogam quase sempre, valorizam-se, vendem-se ou regressam à casa mãe. Os pequenos chucham no dedo! No limite, transforma-se a competição naquilo que ela já começa a ser: - uma prova atípica com três clubes principais e o resto são clubes satélites que nunca poderão crescer nem desenvolver-se! Formato típico de uma sociedade esclavagista!

E esta é apenas uma parte da história porque temos depois que acrescentar ao património dos três eucaliptos, os respectivos plantéis, também sem limite, as equipas B, também sem limite e que curiosamente foram criadas para substituírem os clubes satélites inicialmente pensados!

É caso para convocar o Zeca Afonso e gritar: - 'eles comem tudo. eles comem tudo e não deixam nada'!

Saudações azuis
 

segunda-feira, junho 05, 2017

Nem no cravo nem na ferradura!

Numa altura em que todos os cuidados são poucos para não enfraquecer a equipa de futebol, e é só isso que neste momento interessa, não apenas a mim mas a todos os belenenses espalhados por esse mundo, convém estabelecer uma clara fronteira entre o meu apoio ao regresso do futebol profissional ao Clube* e o bota abaixo a que se assiste por parte de alguns grupos de pressão que criticam por criticar tudo o que possa estar a ser feito pela SAD e pelo actual treinador. Não dou para esse peditório. Um peditório que acentua a clivagem entre ‘sócios do Restelo’ e sócios do Belenenses. Estes últimos entre os quais me incluo são sócios de dar e não de receber. São a esmagadora maioria. Nunca receberam nada nem querem receber nada, querem apenas que o Belenenses cumpra o seu destino de grande clube de futebol que já foi e não é. Nesse caminho de regresso à grandeza o Belenenses pode contar com a nossa fidelidade sempre. Seja nas Salésias, no Restelo, seja onde for. É esse o espírito.

Por isso não confundo as questões. Nem podem ser confundidas. Para não descer aos distritais aceitámos vender a herança que recebemos, e nessa altura ninguém se sentiu coagido. Para a recuperarmos teremos que seguir o caminho inverso e também sem qualquer coacção. Os termos da compra serão decididos pelas instâncias próprias, sem vídeos** ou altifalantes. Porque não foi assim que a venda se efectuou. Até lá, os verdadeiros belenenses não se dividem em ‘claques’ e apoiam a equipa. Incondicionalmente.

Saudações azuis

*Fui talvez dos primeiros a denunciar publicamente a estupidez da estrutura bicéfala que se instituiu no Clube. Na altura estava tudo na paz dos anjos.


**Um vídeo que confunde o Restelo com o Belenenses é sempre um vídeo errado.

domingo, junho 04, 2017

As eleições e o mandato!

Cerca de quinhentos associados, correspondentes a mais ou menos três mil e quinhentos votos são aquilo que são e representam aquilo que representam. E assim e na sequência do que escrevi no postal anterior que ninguém se ponha em bicos de pés ou ouse pronunciar que o clube é dos sócios, porque aqueles quinhentos sócios não representam o clube. Estas eleições serviram apenas, e este apenas é de facto muito importante, para conferir um mandato específico a esta Direcção para resgatar o futebol profissional. Não sendo isso nem quinhentos sócios lá estariam. Outros planos ou programas só deverão ser implementados quando o Belenenses voltar a ser um clube inteiro. E se por acaso alguém ou algum dos eleitos pensar o contrário então os tempos que aí vêm poderão ser fatais.

Despeço-me com uma palavra de esperança e de encorajamento à Direcção eleita porque a tarefa é complexa e difícil mas tem que ser realizada. O presidente do Clube de Futebol ‘Os Belenenses’  terá sempre que ser o presidente da SAD.


Saudações azuis



Nota importante: Anota-se o excelente resultado obtido pelos juniores do Clube que se sagraram vice campeões nacionais. O que atesta o bom trabalho que se  está a fazer no futebol de formação.

sexta-feira, junho 02, 2017

As respostas, umas boas, outras não!

Não se pode agradar a todos e nem é isso que interessa agora. Interessa dizer que a iniciativa da sessão de esclarecimento foi positiva, e que o actual presidente e único candidato às próximas eleições esteve à altura do repto. Vou por ora deixar alguns tópicos sobre os assuntos abordados, tópicos da minha lavra e que só me comprometem a mim. É, digamos, uma contra análise ao que ali foi analisado. Assim:

O resgate do futebol profissional é, como não podia deixar de ser, a pedra angular de tudo o resto. O Belenenses tem que ser dono e senhor do seu destino. Acresce que a estrutura bicéfala em que se constituiu é um absurdo e provou à saciedade que o Belenenses sem o futebol profissional não existe.
Ficou também provado que a 'democracia das assembleias' não pode ultrapassar determinados limites. Ou seja, não pode pôr em causa os 'estatutos históricos' do clube, aqueles que estiveram na base e na mente dos seus fundadores Isto vale para tudo e para todos. Portanto o exemplo das couves é mau.

Restelo, salvação ou caixão do clube? 
Este é um dos temas mais controversos e onde todas as Direcções se têm afundado. A requalificação é no fundo uma forma airosa de dizer que o Belenenses actual não tem dimensão para ter o estádio do Restelo. E por dois motivos opostos: - não tem porque não tem, mas tendo, cria a necessidade de o manter e actualizar o que irá levar, a prazo, à alienação das sua parcelas. É por isso que eu ponho sérias dúvidas sobre as requalificações que se avizinham. E nem vou debruçar-me sobre piscinas, colégios ou turismo, porque isso, para mim, fica a jusante do 'tetra' que ainda não ganhámos. Não fica a montante.

O regresso às Salésias vem na sequência de tudo isto e aqui o candidato surpreendeu-me! Ou então leu o que escrevi na parte final do meu último postal! Na verdade para ganharmos aos nossos adversários não precisamos de ter uma boa vista sobre o Tejo. O que precisamos é de ter uma boa equipa, com jogadores que sejam nossos, e que quando sejam vendidos a receita entre nos cofres do clube. Para além disso precisamos de infra estruturas desportivas e de uma equipa B que dê sequência à formação que já vamos tendo.

E termino com a melhor resposta ( e promessa de acção) de Patrick Morais de Carvalho ao saque dos 'eucaliptos'! Diz ele e eu concordo inteiramente que a Federação ou a Liga têm que impor um limite ao número de jogadores que cada clube pode inscrever. 

Saudações azuis

Nota: Não foi perguntado nem foi aflorado o tema dos quatro campeonatos nacionais ganhos pelo Belenenses. Infelizmente, digo eu.