quinta-feira, junho 29, 2017

Diário da idolatria!

Terra de bezerros de ouro, que relincham nas arenas onde o povo enlouquecido também urra, terra onde todos os dias se inaugura uma estátua a qualquer vivente, como se fora uma divindade, é nesta terra que eu vivo, e permaneço, temente a Deus que conhece bem o barro de que sou feito.

Hoje o diário das divindades, multiplicado por muitos, diz o seguinte: - Ronaldo, o melhor goleador do mundo não teve oportunidade de brilhar na marcação das grandes penalidades pois entregou generosamente essa tarefa aos seus colegas mortais e estes falharam. Não é a primeira vez que isto acontece.
Já o Chile, onde não existem divindades, mandou avançar o seu capitão Arturo Vidal responsabilizando-o pela marcação da primeira grande penalidade.
O diário continua e acrescenta que nenhum jornalista português questionou o facto nem o vai questionar porque isso poderia incomodar a divindade.

E por falar em divindade Ronaldo já anunciou que não vai alinhar no próximo jogo para apuramento do terceiro e quarto lugar pois está com saudades dos filhos que entretanto nasceram. Se fosse para o primeiro lugar não estamos em condições de garantir que faria o mesmo.

Noutra página desta vez dedicada á política podemos ler que o primeiro-ministro António Costa anda preocupado com a sua imagem e encomendou um estudo sobre o assunto. Segundo consta os resultados já se conhecem e assim a reputação de Costa continua intacta apesar dos incêndios e das respectivas vítimas.


Por fim e na coluna social ficámos a saber que muitos portugueses acham que a macumba e a bruxaria são actividades indispensáveis ao bom sucesso dos negócios, seja no comércio, na indústria ou no futebol. Dos testemunhos recolhidos não ficou claro se esta actividade para normal deveria ou não ser apoiada pelo governo!


Saudações azuis

Nota: - Fernando Santos referiu que os mesmos jogadores que agora falharam foram heróis frente à Polónia. Esqueceu-se de dizer que a ordem não foi a mesma. Nesse desempate Ronaldo converteu a primeira grande penalidade, o segundo a marcar foi Renato Sanches, o terceiro Moutinho, o quarto Nani e finalmente Quaresma decidiu depois da Polónia ter falhado um penalty. Para memória futura.

xmlns:dc="http://purl.org/dc/elements/1.1/"

<< Home