quarta-feira, maio 04, 2016

‘Belenenses sem criativos’!

Vou sabendo das novidades através da ‘Comunidade Azul’ (um oásis informativo!) e este título chamou-me a atenção – ‘Belenenses sem criativos na viagem à Madeira’! Fui indagar quem eram os criativos a ver se coincidiam com a minha ideia de ‘criativos’. Não totalmente.

Outra notícia dava conta que Bakic regressa a Florença no final da época não se sabendo ainda se o Belenenses consegue novo empréstimo. Parece que há mais clubes interessados, emblemas com outro poderio financeiro. Lá fora e cá dentro. Cá dentro lembrei-me logo do Novo Banco, um dos emblemas que mais investe, e que tem vários satélites conhecidos!

Voltando aos criativos vou enumerar uns quantos jogadores que de facto desequilibram e levam as equipas a que pertencem às costas. E não estou a falar dos três tubarões, tão pouco do Belenenses para não ferir susceptibilidades. Por exemplo, o Diogo Jota no Paços de Ferreira e o Rúben Ribeiro no Boavista, traçaram o destino das respectivas equipas. Uma, vai à Europa quase de certeza, a outra não desce de divisão, também quase de certeza. Noutro plano, o Octávio no Guimarães, e o filho do Bebeto no Estoril, também foram influentes.

Resumindo, é preciso estar muito atento aos tais criativos, descobri-los, agarrá-los com contratos antes que o Novo Banco os arrebanhe a todos. São eles que podem fazer a diferença. E claro, os goleadores. Mas esses são caros e raros.

E já agora falemos da importância dos treinadores, elementos decisivos na história dos clubes. O Belenenses tem sabido contratá-los. Segurá-los, oferendo-lhes um projecto ganhador, isso é outra questão. Veja-se a propósito o percurso de Simeone no Atlético de Madrid! E por uma questão de justiça o Arouca do Lito!


Saudações azuis


Nota: Num próximo postal falarei sobre o Leicester e o paradoxo português.

xmlns:dc="http://purl.org/dc/elements/1.1/"

<< Home