segunda-feira, maio 25, 2009

Outro dia

Descontado o dia de luto carregado, a vida continua, e posso enfim expressar-me abertamente, sem tabus que destabilizem o que quer que seja!
Vamos então ao balanço da época desportiva, com as condicionantes de sempre - só posso escrever sobre aquilo que está ao meu alcance, visto das bancadas ou através dos media:

Descemos de divisão e a nossa descida, que poderia ter sido evitada se houvesse alguma sagacidade dentro do Clube (se quem manda ali dentro, que ninguém sabe quem é, percebesse alguma coisa de futebol), foi afinal o corolário de tudo aquilo que não fizemos nas últimas épocas, onde lutámos quase sempre para não descer.
.
O episódio Jorge Jesus, foi uma excepção à regra do declive inclinado, e criou por isso alguma ilusão de óptica entre os associados!
Jorge Jesus conseguiu (momentâneamente) inverter o percurso descendente porque assumiu o poder total no Belenenses! Fez de presidente, de director para o futebol e foi treinador! Conseguiu até restabelecer alguma prioridade do futebol em relação ao poder das modalidades! Como conseguiu fazer isso não interessa agora aprofundar, pois foi útil nessa altura, mas acabou por provar que só nessas condições se pode vingar no Restelo. Ainda assim viu-se aflito, quando confrontado com a proverbial incompetência da retaguarda, vidé caso Meyong!
Portanto, descemos, e continuaremos no sobe e desce se não mudarmos de vida.
Esta é a primeira conclusão que retiro desta época.
.
A segunda conclusão poderá extrair-se do ‘episódio Jesus’: - O Belenenses tem que voltar a ser um clube de futebol e os seus dirigentes têm que trazer ‘curriculum’ do futebol. Não basta serem bons gestores (de outros negócios que não o futebol) ou terem feito um bom trabalho no basket, nas obras, ou no futsal.
.
Quarta conclusão: - como não temos dirigentes com esse perfil, teremos que contratar alguém que (provisoriamente) assegure essa grave lacuna. Alguém com provas dadas, e se tiver um coração azul, tanto melhor. Eu disse - provisoriamente – porque espero que este seja o ponto de partida para o dirigismo belenense… no futebol. Um dirigismo de qualidade, melhor que a concorrência!
.
Quinta e última conclusão: - quem não tem dinheiro para o futebol não pode ter outros ‘vícios’.

Saudações azuis.

xmlns:dc="http://purl.org/dc/elements/1.1/"

<< Home