terça-feira, abril 22, 2008

A força do colectivo

Boa exibição, bons golos, mas tenham calma, não descobri nenhum craque a caminho do Real Madrid! Como é habitual só hoje consegui ver o jogo na Sport Tv, e dada a celeuma sobre a debandada do plantel, ao que parece requisitado por meio mundo, estava curioso para ver que exibições esplendorosas tinham acontecido e da parte de quem! Afinal, só vi um enorme trabalho colectivo, tudo em movimento, atentos às marcações, trocando a bola pacientemente, recuperando-a depressa, à espera do momento mais propício para desferir três, como poderiam ter sido quatro estocadas mortais. Isto aconteceu na primeira parte e foi realizado com grande eficácia, e já agora, com grande beleza! Bonitos golos, sim senhor!
E como cada equipa joga o que a outra deixa jogar, está explicado o sucesso azul e o insucesso sadino.
Claro que também vi as insuficiências dos intérpretes, as deficiências conhecidas, menos evidentes porque tudo correu bem, e reconheçamos, o Vitória está em quarto minguante, como aliás outras equipas da Liga. Nós felizmente estamos em quarto crescente!
Antes da análise individual quero referir que não me passou despercebida a ausência no onze inicial de Gavillan, desta vez Jorge Jesus optou por uma brigada mais ligeira a meio campo tirando partido do bloco habitualmente muito recuado do Vitória de Setúbal, e ganhou a aposta, apenas em dois cantos se notou que faltavam centímetros na nossa área, mas com o avolumar da derrota o Vitória foi desaparecendo. Pitbull estava demasiado só.

Destaques:

Paulo César com muito pouco trabalho, teve uma noite descansada;
Amaral tácticamente bem, precisa de ganhar confiança e um bocadinho mais de atrevimento;
Rolando impecável;
Hugo Alcântara fez um grande jogo e teve uma excelente e decisiva intervenção no segundo golo;
Alvim sempre esforçado e raçudo;
Amorim jogou a trinco e foi um dos melhores;
Rafael Bastos confirmou que está a adaptar-se, mexido, com iniciativa, um grande passe na origem do terceiro golo, merece continuar na escola de Jesus;
Silas o problema das recepções continua, mas esteve em todo o lado, é um pilar do nosso sistema de jogo;
Zé Pedro é o outro pilar, para o melhor e para o pior, mas neste jogo a palavra pior não se aplica. Apesar de alguns passes falhados, gostei de o ver comandar a equipa!
Roncatto também merece ficar na escola de Jesus, porque ainda é um jovem jogador;
Weldon bisou, dois belos golos, é um jogador feito, veio emprestado para render e rende, se houver capacidade financeira tudo bem, se não houver, paciência.
Gavilan entrou nervoso mas serenou e é sempre útil;
Cândido Costa cumpriu, cruzou bem para o quarto golo;
João Paulo querer, raça, e dois golos espectaculares!

Saudações azuis.

xmlns:dc="http://purl.org/dc/elements/1.1/"

<< Home