sábado, abril 26, 2008

Ai Jesus, Jesus...


Tu que não nasceste em Belém mas que puseste o meu Belém a jogar tão bem!
Tu que sabes treinar como ninguém, que em poucos meses transformaste um grupo de jogadores numa grande equipa, com uma defesa em linha impecável, um pressing que não deixou o Benfica jogar, um futebol apoiado que confundiu e calou o 'terceiro anel'... que necessidade tinhas de estragar tudo por causa daquela ponta de vaidade que estraga sempre tudo!
Qual a necessidade de mexer numa equipa que tinha tomado conta do jogo, recuperava as bolas rápidamente, e ameaçava a cada jogada chegar ao empate!!! Ninguem percebeu, nem eu!
Se por hipótese chegássemos aos 80 minutos de jogo na mesma situação, então sim, arriscava-se tudo. Aos 65 minutos, não.
Costuma dizer-se: 'quem tudo quer, tudo perde', e nós apressámos a derrota sem necessidade nenhuma. Jesus deve ter-se lembrado da última goleada, só que o Benfica na Luz não é o Vitória de Setúbal no Restelo. Ainda por cima o Gabriel Gomez estava a realizar uma grande exibição! Ele saíu, trocaram-se posições, a equipa desuniu-se, e para cúmulo, tinha que ser o Amorim a provocar uma falta desnecessária numa zona proibida! O Gavillan na primeira parte já tinha cometido esse erro, mas felizmente a bola foi desviada na barreira. Cardozo não desperdiçou uma segunda oportunidade e acabou com o jogo. A partir daí nunca mais fomos os mesmos.
É fácil falar depois do jogo, e eu aceito. Mas desta vez toda a gente viu que Jesus errou nas substituições. Ninguém é perfeito e todos temos as nossas limitações.
Enfim, o jogo acabou, acabámos com dez porque Alcântara fez das suas, e hoje não vou dar os parabéns a ninguém, porque estou farto de derrotas honrosas. Dito isto, espero que Jorge Jesus cumpra o contrato e continue a ser o treinador do Belenenses.
E mantenho o que disse ontem: este era o jogo mais importante do campeonato.
Resultado final: Benfica 2 – Belenenses 0.

xmlns:dc="http://purl.org/dc/elements/1.1/"

<< Home