segunda-feira, abril 20, 2015

Belenenses - Benfica (crónica do jogo)

Passado o tempo necessário para arrefecer as emoções, vamos então analisar o clássico que se jogou no Restelo: 

Sobre a ‘enchente’… para quem já viu aquele jogo com perto de quarenta mil espectadores, pouco tenho a acrescentar. Outros tempos… Era outra a rivalidade…

Ainda assim devo confessar que a postura do Belenenses me surpreendeu pela positiva! Uma lição muito bem estudada, melhor executada, e como referi em postal anterior, não fora o brinde inicial, verdadeiro balde de água fria, e tudo poderia ter sido diferente. Assim, resolvido o principal problema do Benfica, que era marcar o primeiro golo, tudo se tornou mais complicado para as nossas cores uma vez que o ataque, o nosso ataque, especialmente aquele que apresentámos de início, me pareceu demasiado ingénuo para marcar golos, seja ao Benfica, seja a quem for. Para maiores esclarecimentos consulte-se, não as páginas amarelas, mas a lista de melhores marcadores do campeonato. Não aparecemos lá.

E surge a primeira crítica: - continuo sem perceber porque é que se aposta tanto no Dálcio e tão pouco no Fábio Nunes?! A segunda crítica ainda é mais antiga: - porque é que só nos minutos finais é que jogámos com alas sem os pés trocados?!
Chamo a atenção que a jogada que nos ía proporcionando o golo só é possível de realizar com um extremo esquerdo que tenha… pé esquerdo! Jogada aliás que já tinha sido tentada uns minutos antes!

Tirando estas objecções, há que dar os parabéns ao treinador pela excelente estratégia que montou, reduzindo o anunciado fulgor benfiquista à sua verdadeira expressão: - uma equipa espremida por Jesus até á última gota, que vive de dois ou três craques, mas que pode ser batida se houver coragem e não houver grandes interferências exteriores.

E passemos à análise individual:

Ventura – fez o impossível no atraso suicida de Pelé, assim como se viu confrontado com mais uns atrasos (de vida) de Nelson! Sofreu dois golos indefensáveis sem ter possibilidades de fazer qualquer defesa difícil O Benfica não teve mais oportunidades para marcar.

Nelson – não gostei da exibição de Nelson. Pareceu preocupado em demonstrar qualquer coisa a alguém, foi pouco lesto a decidir e complicou desnecessariamente algumas jogadas.

João Afonso – cumpriu no centro da defesa mas revela algumas vezes pouca convicção naquilo que faz. O ar tremendista também não ajuda. Foi lento ao acorrer a uma recarga promissora.

Palmeira – boa exibição de um jogador que continua a evoluir. Dois cortes magníficos sobre Gaitán (num deles lesionou-se) definem um defesa de categoria.

Filipe Ferreira – um jogo esforçado mas inglório já que deixou passar a bola que deu a Jonas o segundo golo. Reconheçamos no entanto que há mérito no cruzamento de Gaitán, no domínio de bola de Jonas e no respectivo remate! Mas Filipe Ferreira está a subir o nível do seu jogo! Foi dele o lançamento para Fábio Nunes numa grande jogada do ataque azul.

Meira – a melhor exibição azul! A jogar a trinco auxiliou bem a defesa e fartou-se de ganhar segundas bolas ao meio campo encarnado. Disputou também lances dentro da área benfiquista e num deles foi injustamente amarelado por simulação. Não houve simulação mas um quase penalty de Eliseu.

Pelé – teve aquele lance infeliz, fruto de alguma desconcentração, mas no resto do tempo lutou muito naquele meio campo transformado em floresta de pernas e trincheira de vontades. Globalmente a sua exibição acaba por ser positiva.

Carlos Martins – para a maioria dos comentadores foi o melhor jogador azul. Não compartilho totalmente desta opinião mas não tenho dúvidas que fez tudo para levar de vencida a sua antiga equipa. Mas esta obsessão não se revelou nalguns momentos boa conselheira. Agarrou-se um bocadinho à bola, exagerou nos remates, que já sabemos resultaram de instruções do treinador, mas nalguns lances havia melhores opções. Dois tiros, um deles de livre, assustaram Júlio César.

Dálcio – como vem sendo hábito apareceu na ala direita e revelou muita ingenuidade. Foi sempre presa fácil para a defesa encarnada. Nos últimos instantes acorreu bem ao cruzamento de Fábio Nunes mas falhou um golo certo. Há que experimentar este esquerdino, nem que seja para treinar, na ala esquerda do nosso ataque.

Abel Camará – sem os atributos técnicos que lhe dariam outra dimensão, foi com generosidade e força que incomodou seriamente Luizão e companhia. Sempre muito desapoiado, fez quanto a mim uma exibição conseguida.

Sturgeon – é actualmente o jogador com maior potencial do plantel azul. Evoluiu muito, já não cai, já não parece um bailarino do teatro Bolchoi, sabe receber a bola e dar-lhe o destino adequado. Pena ter alinhado fora do seu lugar. Protagonista do caso do jogo, um possível toque de Luizão, a única coisa que podemos discutir tem a ver com a verdade desportiva do nosso campeonato: - não me pareceu haver falta, mas se o lance fosse na outra área, na área do Benfica, seria ou não grande penalidade?! Uma dúvida eterna.

Gonçalo Brandão – substituiu o lesionado Palmeira e apesar de termos sofrido o segundo golo pouco tempo depois, não foi por ali que a defesa vacilou. Pelo contrário, Gonçalo Brandão revelou sempre segurança e classe nas suas intervenções.

Fábio Nunes – uma boa entrada em jogo, a mostrar codícia e acutilância. O seu arranque e cruzamento para golo ficaram na retina.

Tiago Silva – no pouco tempo que esteve em campo, cumpriu.



Saudações azuis


Post-scriptum: Analisadas as imagens verifica-se que Luizão não toca na bola mas atinge Sturgeon na sola do pé, o que configura um lance para grande penalidade. O jogo prossegue e a bola chutada por Sturgeon segue para Meira que por sua vez a faz seguir para Dálcio sem que Eliseu a consiga interceptar. Do contacto entre os dois jogadores resulta o derrube de Meira que fica assim impedido de prosseguir a jogada. Nessas condições o arbitro, se quisesse, também poderia ter marcado grande penalidade. Em vez disso, erra, exibindo cartão amarelo a João Meira por simulação!

Resumindo e concluindo: - admite-se que o árbitro não tenha visto o toque em Sturgeon, como também se admite que tenha visto um choque e não um derrube, no contacto entre Meira e Eliseu. Menos admissível terá sido o cartão amarelo mostrado ao jogador do Belenenses.
Agora, o que me parece totalmente inadmissível, é que já depois de analisadas as imagens, continue a haver gente a sustentar que não houve nada! Gente encartada, ex-árbitros e tudo!
Como já escrevi noutro local, só gostava de saber o que diriam se tudo se tivesse passado na outra área!

Enfim, é a verdade desportiva a que temos direito...

xmlns:dc="http://purl.org/dc/elements/1.1/"

<< Home