quinta-feira, setembro 15, 2005

Depois das férias

1. Manifestamente... insuficiente

Sequeira Nunes promoveu um almoço de reconciliação entre os Presidentes do Benfica e do Sporting, que segundo dizem correu bem! Para lá do acto, indiscutivelmente louvável, estava por certo a tentativa de ressuscitar o denominado “manifesto para a regeneração do futebol português”, e aqui as aspas, não encerram ironia ou qualquer outro processo de intenção.
Já expusemos neste local, abundante teoria sobre esta matéria pelo que me abstenho de a repetir, por isso, relativamente a este encontro, faço apenas o seguinte comentário: os grandes devem entender-se entre si, e os pequenos também. Assumidas as respectivas posições prévias sobre os assuntos que interessam, devem reunir-se na Liga, na presença do Presidente em exercício e chegar posteriormente a um consenso. Quaisquer encontros ou reuniões fora deste quadro estão fatalmente destinadas ao fracasso. Exemplifico: Reuniões entre dois grandes sem a presença e anuência do terceiro, são mero fogo de vista e não levam a lado nenhum.

2.Violência doméstica

Petardos incandescentes (segundo relato de testemunha local, seis verdes e dois encarnados), pancadaria à saída, desacatos vários, foi assim no recente Sporting/Benfica. A televisão pública, no telejornal da noite de terça-feira, porque se trata do “casalinho”, resolve branquear os incidentes passando imagens de violência nos estádios sul-americanos, não sei se africanos..., (esqueceu-se por certo de falar no Iraque!), tudo isto para “exemplarmente” justificar o que se passa cá dentro!
Quem se admira com os estádios vazios?!

3. Há qualquer coisa de diferente...

Para melhor, digo eu. Duas vitórias seguidas, uma postura personalizada, Marco Aurélio não foi incomodado, o contra-ataque sempre venenoso e... Meyong!
Eu sei que há mais, mas por agora fico-me por aqui.

4. Os candidatos

Não é o que estão a pensar! Refiro-me ao título! O Belenenses com a equipa que tem, não fora os “imponderáveis”, (sistema que rodeia a arbitragem, incluindo a comunicação social), seria este ano um candidato possível, atendendo à equipa que tem. Explico: Dos três candidatos do costume pode-se dizer que, à semelhança do ano passado, nenhum tem uma equipa decisiva; O Porto, ao contrário do que se diz, apresenta-se muito fragilizado no aspecto defensivo, zona capital que define quase sempre o campeão. O Sporting sofre do mesmo, embora tenha uma rotina de jogo melhor que os outros dois. Quanto ao Benfica, tratado por muito ignorante como “coitadinho”, tem uma boa defesa (tem bons defesas) e reforçou-se ultimamente com inteligência! Se a isto juntarmos as benesses que habitualmente recebe, ainda não está liquidado.
O Braga foi e vai ser destruído, por isso não tem hipóteses.
O Belenenses tem vindo a ser construído de trás para a frente, e resolvido (parece que está) o problema do flanco esquerdo, tem uma excelente defesa, a que se soma um ataque perigoso. Dispõe, além disso, de suplentes e soluções de recurso que, se não houver lesões complicadas, podem assegurar um rendimento de grande regularidade.
Claro que se nos chegarmos aos lugares do “dinheiro”, iniciar-se-á de imediato uma campanha para nos desalojar: contemos com espoliações, provocações e castigos, assédio aos nossos jogadores nucleares, etc., etc.
Mas, se por um acaso tivermos coragem e serenidade para enfrentar tudo isso, e se a sorte não nos virar as costas nos momentos decisivos... festejaremos... ao fim de mais de meio século!
Estou a sonhar?
Talvez.

5. Capela de Santo Cristo

Esclarecido e bem informado pelo consócio Abel Vieira, que por sua vez me fez chegar a notícia dos esforços do nosso consócio Rui Vasco e também da actual Direcção, resta-me agradecer e disponibilizar este espaço para o que for necessário no sentido de resolvermos este assunto de forma condigna.

xmlns:dc="http://purl.org/dc/elements/1.1/"

<< Home