terça-feira, abril 24, 2018

Rectificação e aulas de arbitragem

Ainda sobre o golo anulado ao Estoril e confrontando melhor as imagens do referido lance constata-se que o fiscal de linha não assinalou fora de jogo e começou a correr para o meio campo, sinal de golo válido. Foi então o árbitro, em conluio (ou não) com o VAR, que decidiu invalidar o golo. Uma originalidade atendendo a que estava pior colocado que o seu auxiliar para avaliar o lance. O VAR, de acordo com o protocolo deveria manter-se em silêncio, uma vez que se trata de um lance duvidoso. E para o provar basta verificar a diferente atitude de árbitro e fiscal de linha. É verdade que só ouvindo as gravações poderíamos ficar a saber o que terá dito o VAR ao árbitro de campo. Se calhar é por isso que não podemos saber das gravações...

E daqui partimos para uma pequena aula de arbitragem especialmente destinada aos comentadores televisivos, e afins, cuja ignorância parece não ter limites! A regra básica do fora de jogo tem a ver com a posição da bola no momento do passe. Se o companheiro de equipa que a recebe está em linha ou mais atrasado em relação à mesma bola, nunca há fora de jogo. Os adversários, incluindo o guarda redes, até podem estar todos na outra baliza. Ou na bancada a confraternizar com as claques que não existem. É por isso que na marcação dos cantos ninguém está em fora de jogo. E também por isso se aconselha a que os cruzamentos sejam feitos o mais perto possível da linha de fundo. No lance em questão só havia que interpretar isto. E parece que o jogador do Estoril (que marca o golo) estava atrás da linha da bola. Ou quando muito em linha... com a bola.



Saudações azuis 

xmlns:dc="http://purl.org/dc/elements/1.1/"

<< Home