domingo, abril 30, 2017

Ecos de Belém

Hoje há jogo com o Paços de Ferreira e de acordo com os resultados já conhecidos um ponto basta para garantirmos (matemáticamente) a permanência na primeira Liga. Acabei o período com ponto final, não é ponto de exclamação ou admiração, nem sequer é parágrafo. É gramática e não mudo de linha. Continuo pois a escrever sobre uma época para esquecer ou lembrar consoante o sentido de responsabilidade de cada um. O novo treinador, ou se quiserem, o mais recente, abordou as últimas quatro jornadas com um discurso positivo: - são quatro jogos para ganhar! Gosto deste discurso. Quanto à convocatória vou fazer alguns comentários tanto mais que já se falam em aquisições garantidas. Começamos pela espinha dorsal que é o que interessa numa equipa de futebol e assim chegamos ao fim do campeonato sem um guarda-redes de classe indiscutível e sem uma dupla de centrais firme e rotinada, onde se combine a necessária experiência com a juventude promissora. Seguimos para o triângulo das Bermudas, aquele espaço, ou buraco, onde a defesa se une, ou não, e onde as bolas não se podem perder, mas sim, ganhar, para iniciar as transições. E a convocatória não me sossega. Uma alteração já se viu no último jogo e com a qual concordo – Miguel Rosa tem que sair das alas e jogar perto da área adversária. Betinho aparece mais uma vez na convocatória e é caso para dizer – ou joga ou então… tem que ir jogar para outro lado! Não vale a pena manter jogadores teóricos no plantel. O resto do pessoal é para dar o litro do primeiro ao último minuto. Com cabecinha. Na hora de atacar, não se esqueçam que Maurides joga bem de cabeça.
Quanto às aquisições espero que sejam efectivas, sem empréstimos que se sobreponham aos interesses do Belenenses, ou seja, sem dependências, pois estamos fartos delas.



Saudações azuis 

xmlns:dc="http://purl.org/dc/elements/1.1/"

<< Home