domingo, dezembro 11, 2016

O melhor jogo da época!

É sinal de progresso quando as exibições vão em crescendo e na verdade este jogo com o Marítimo foi melhor que o anterior. Que já tinha sido bom. Foi melhor em primeiro lugar porque jogámos em casa onde há a obrigação de vencer. E sabemos como esta obrigação é sempre uma arma de dois gumes. Foi melhor porque não sofremos golos. Foi melhor porque defrontámos uma equipa em alta, que já nos tinha ultrapassado na tabela e vinha de uma vitória contra o Benfica. E foi melhor porque objectivamente jogámos melhor. É esta a parte que interessa. Interessa porque demonstrámos que, seja qual for ao adversário, a equipa não se desune, continua concentrada e sabe a cada momento o que tem que fazer. Há efectivamente como já tinha salientado, um enorme crescimento mental da maioria dos jogadores e assim vão entrando e saindo sem que a equipa sofra com isso. Portanto, se é indiscutível que o mérito maior é do treinador, também é verdade que os jogadores têm sido bons alunos. Acima de tudo estão muito melhor fisicamente, o que lhes permite cumprir à risca todas as funções tácticas exigidas. Quer a tapar os caminhos da nossa baliza, quer a recuperar a bola, caindo imediatamente sobre o adversário. E assim tomámos conta do jogo!
É claro que se notaram insuficiências, desde logo na finalização, uma pecha que teremos que debelar. O nosso goal-average diz tudo sobre esse assunto.

Falemos agora de ‘revoluções no plantel’! E baseio-me nas notícias que circulam na comunicação social. Costuma dizer-se que em equipa que está bem, e que ganha, não se mexe! E eu concordo. Até porque não é a mesma coisa introduzir três ou quatro jogadores no plantel e pensar que a equipa continuaria a funcionar da mesma maneira. Há todo um período de adaptação dos novos jogadores aos métodos do treinador e ao clube onde chegam. Especialmente se estamos a falar de jogadores chave. Atenção ao que aconteceu o ano passado em Setúbal.


Saudações azuis

xmlns:dc="http://purl.org/dc/elements/1.1/"

<< Home