segunda-feira, agosto 01, 2016

Apertar o cinto!

A palavra de ordem, já se percebeu, é apertar o cinto, muito embora jornais e jornalistas, verdadeiras agências de negócios fabulosos, continuem a congeminar grandes transferências, mas desta vez lá para fora! Mas lá fora a penúria é a mesma.
Aliás o discurso dos ‘três grandes clubes falidos’ já mudou e é vê-los a tentar despachar ‘grandes craques’ mas que hoje estão a mais na ‘estrutura’ para não dizer outra coisa. Resumindo, andam todos em saldos. Por exemplo, quem é que imaginaria que Boly, meio suplente do Braga, fosse afinal a grande aspiração do Porto para o centro da defesa! E note-se que aprecio bastante aquele jogador.

O Sporting, por mais voltas que dê ao orçamento, não tem dinheiro para manter um goleador a sério, quanto mais dois! E como se sabe, e está amplamente demonstrado, num campeonato como o nosso ganham as equipas que dispõem dos melhores artilheiros. Pois são eles que acabam por resolver os jogos difíceis, encalacrados, contra as equipas pequenas. Foi assim com o Porto de Jardel e Falcão, já foi mais difícil com Jackson que falhava muito, e não foi obviamente com Aboubakar. André Silva é ainda muito jovem e assim chegamos ao candidato mais forte, que é o Benfica. Isto, claro, se conseguir manter os arietes Jonas, Mitroglu e Jimenez, jogadores claramente acima da média nacional, e que só cá estão porque os bancos também foram à falência.

Traçado o destino do campeonato português, cada vez mais desigual, cada vez menos competitivo, chego então ao Belenenses onde para além das lesões pouco mais se sabe. Mas a onda terá que ser a mesma – apertar o cinto. É assim que vou tomando conhecimento da chegada de jogadores de divisões inferiores, com alguma incidência no mercado espanhol, tendência que se irá acentuar, ou não fosse a Espanha a união europeia a que temos direito. Tal como na anterior experiência filipina.

Saudações azuis


Primeira nota: Gostei de ouvir o Nuno Capucho, actual treinador do Rio Ave, defendendo sem peias uma indústria do futebol minimamente viável e não esta reduzida a três clubes.


Segunda nota: O Turismo de Portugal convidou o adepto francês que foi consolado por uma criança portuguesa após a derrota no campeonato da Europa, a visitar o país. As imagens correram mundo, foi bonito, até aqui tudo bem. O problema, quanto a mim, aconteceu quando o roteiro da visita incluía o estádio da Luz e o museu do Benfica! O Turismo de Portugal é pago com os nossos impostos, o adepto francês não era com certeza benfiquista desde pequenino, e mesmo que fosse, pergunta-se então se o Benfica também faz parte da propaganda dos organismos oficiais?! Enfim, o nacional-benfiquismo no seu melhor e o director do turismo de Portugal, a esta hora, ainda deve permanecer na sua inocência!

xmlns:dc="http://purl.org/dc/elements/1.1/"

<< Home