terça-feira, setembro 23, 2008

Dia de reflexão

Não tenho que justificar o que publico tenho apenas que me manter fiel aos princípios e opiniões que perfilho e se posso rever as minhas opiniões, por força da razão alheia, já é mais difícil alterar princípios ancorados na educação que me transmitiram. Um desses princípios é a verdade e neste caso a verdade sobre a real situação do Clube, verdade que tem que ser dita aos sócios para que possam escolher o melhor para o Belenenses. Há muito tempo que reclamo por isto.
Finalmente surge um depoimento desassombrado de quem desempenhou cargos de responsabilidade no Clube e começamos todos a perceber, refiro-me aos sócios ou adeptos comuns, qual a verdadeira extensão da decadência do Belenenses, o grau de colonização e asfixia que as modalidades vêm impondo a um Clube que nasceu ( há 89 anos) para o futebol, modalidades que ganharam alento e cresceram a cada descida de divisão! Como se não bastasse foram elas o trampolim para a casta de dirigentes que temos, que desconhecem e desgostam do futebol, que o suportam apenas para manter as suas ‘quintas e quintinhas’ no Restelo.
Não estou a diabolizar as modalidades, está escrito com todas as letras no testemunho de Ricardo Schedel! A expressão ‘quintas e quintinhas’ também não fui eu que a inventei – está referida numa passagem que explica tudo sobre a fragilidade e impotência governativas.
Por isso passei ao largo das contas e dos diferendos contabilísticos, como passei ao lado das guerras pessoais, nem me interessa saber qual foi a melhor ou a pior direcção dos últimos anos. Posso apenas concluir que neste estado de coisas ninguém pode fazer nada pelo clube.
Por isso hoje não é um dia de festa para mim, e penso que para nenhum belenense.
É um dia de reflexão.

Saudações azuis.

xmlns:dc="http://purl.org/dc/elements/1.1/"

<< Home