quarta-feira, outubro 12, 2016

Massacre!

Se era este o objectivo da democracia, reduzir o espaço e o tempo noticioso a apenas três clubes de futebol - Benfica, Sporting e Porto, então podemos dizer que o objectivo foi plenamente atingido! Fica assim a democracia a perder para a ditadura, que de facto tinha uma informação mais plural. Desde logo porque havia mais um grande clube, o Belenenses, na altura um candidato crónico ao título nacional. Mas a pluralidade não se ficava por aqui. Pois sendo certo que também existia um fosso entre os quatro grandes e os restantes clubes a verdade é que estes eram tratados de uma maneira, digamos assim, mais democrática! Basta compulsar os jornais desportivos da época, A Bola e O Mundo Desportivo por exemplo e comparar com os actuais. Hoje são páginas e páginas dedicadas aos três grandes sendo que o espaço que é reservado aos outros se resume a uma pequena coluna, se tanto! Estamos a falar de jornais porque é impossível comparar com a televisão que naquele tempo dava os primeiros passos.

Mas o que temos hoje em termos televisivos só tem um nome - massacre! Notícias a toda a hora sobre Benfica, Sporting e Porto, mesmo que não sejam notícias! E não fora a SportTV (um canal de acesso reservado) transmitir (agora) todos os jogos da primeira Liga (e alguns da segunda) muito boa gente poderia ficar convencida que aqueles três clubes jogam sozinhos! Pois bem não é preciso ser profeta para adivinhar o futuro deste futebol português. A continuarmos assim os outros clubes não irão sobreviver. E sem adeptos também não têm nenhuma razão para sobreviver! Nestas condições organizar um campeonato puramente artificial, que no fundo já é aquilo que temos, parece-me inútil e dispendioso. E com o estado falido mais dispendioso será. Portanto a  solução, que já muitos avançaram, passa por competir no campeonato espanhol. O problema é que então talvez não seja preciso ser país! Uma região e um presidente da Junta devem bastar.


Saudações azuis

xmlns:dc="http://purl.org/dc/elements/1.1/"

<< Home