segunda-feira, novembro 08, 2010

O problema da qualidade

Falta qualidade à equipa azul, essa é a primeira conclusão. Qualidade em termos individuais, sem dúvida, e qualidade em termos colectivos, essa bem visível durante grande parte do jogo com o Feirense. É esta capacidade colectiva que tem de imediato que ser melhorada e José Mota saberá como fazê-lo, pois não nos esquecemos do alto nível colectivo que conseguiu em Paços de Ferreira ou mesmo em Leixões. E todos sabemos (ou aprendemos) que um colectivo forte ajuda a potenciar as qualidades de cada jogador, ao mesmo tempo que disfarça alguma falta de qualidade técnica (individual) que possa existir.
E nada mais a propósito do que tomar como exemplo, o exemplo de quem se fala – o FC Porto! Até porque me ajuda a precisar (não a rectificar) uma frase que por aqui escrevi – ‘apesar de Hulk’! Pois bem, este Hulk nada tem a ver com o Hulk de Jesualdo, este é um jogador que Villas Boas está a pôr ao serviço do colectivo e isso nota-se porque faz menos asneiras (perdas de bola infantis, individualismos inúteis ou remates tresloucados). Aliás não precisamos de ir ao Hulk para constatarmos a valorização individual (como consequência da ditadura do colectivo) de jogadores como Sapunaru, Maicon etc., que hoje fazem figura de grandes jogadores mas que antes pareciam toscos e pouco confiantes.
É desta transfiguração que o Belenenses precisa. Esta transfiguração consegue-se se os jogadores se esquecerem das suas carreiras individuais, das suas vaidades e puserem todo o seu empenho ao serviço do colectivo, ao serviço do clube que representam. Porque os sucessos do clube são afinal a melhor forma de se valorizarem individualmente.

Saudações azuis

xmlns:dc="http://purl.org/dc/elements/1.1/"

<< Home