sábado, junho 17, 2006

Vozes, silêncios e avisos

Vozes de comando de Scolari, que defende os seus como ninguém, que sabe construir equipas que ganham, que passou à segunda fase do Mundial depois de quarenta anos de jejum e mau comportamento. Lembram-se de Saltillo!
Mas isto não chega para se ser amado neste jardim da Europa, inesperadamente de costas voltadas para o mar!
Pois é, o homem não pactua com a cega-rega dos velhos hábitos de indisciplina; não embarca nas jogadas dos clubes que querem vender jogadores através da selecção; não admite promiscuidades, nem interferências de ninguém no seu trabalho. Está habituado a assumir as suas responsabilidades nos êxitos e nos fracassos, atitude fora de comum em Portugal!
A comunicação social enfeudada aos clubes do estado não gosta dele, diz que é malcriado, e está sempre pronta a inventar qualquer coisa contra o brasuca. Sem sucesso, diga-se.
O homem é santo? É infalível?
Claro que não, é apenas um seleccionador nacional independente dos poderes fácticos que dominam o nosso futebol. Uma raridade!
Silêncios sobre os escândalos que se sucedem cá em casa! Bem sei que está tudo a ver o mundial, bem sei que não estão em causa os sagrados direitos dos três clubes do estado, mas ainda assim, que diabo, um comentário do Valentim ou do Madaíl não ficava mal! Afinal são eles ‘os donos da bola’! Ou será por causa disso!?
Os cronistas da situação, uns mais que outros, lá vão dizendo que a lei não foi cumprida, que existe uma penalização prevista, que realmente foi um escândalo tudo o que se tem vindo a passar na Comissão Disciplinar da Liga, que morreu entretanto, fruto da demissão de dois juízes, que explicaram bem alto os motivos, para quem os quisesse ouvir.
Mas o problema continua a ser o silêncio, ou uma surdez mais ou menos convicta.
Avisos, já venho avisando os incautos para um possível golpe, para uma possível surpresa vinda da Federação.
O hábito, o vício de não julgar a questão de fundo, sempre enredada nas incidências processuais, pode conhecer mais um episódio dignificante para a chamada ‘justiça’ portuguesa. Refiro-me à tentação, por parte do Conselho de Justiça de não julgar o recurso do Belenenses, (deveria ser o recurso do futebol português para que se cumpra a lei), alegando ausência de decisão válida da Comissão Disciplinar da Liga! È uma esperteza para não decidir contra ninguém, e uma vingançazinha da Federação, exibindo a incompetência da sua rival, corrijo, associada, conhecida por Liga Portuguesa do Futebol Profissional! E como a tal Comissão Disciplinar da Liga não tem quórum, há que realizar eleições para a mesma, com o tempo a escoar-se, com a confusão a instalar-se, etc. etc.
Estou a ser pessimista? Deus queira que sim, que tudo se resolva, que se faça rápidamente justiça.
Saudações azuis.

xmlns:dc="http://purl.org/dc/elements/1.1/"

<< Home